2.jpg

Sônia Regina Romancini 
É professora Titular da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Mestre em Educação pela UFMT e Doutora em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Dedica-se à Geografia Urbana e Geografia Cultural. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso e pesquisadora do Núcleo de Estudos em Espaço e Representações (NEER). Integra o Grupo de Pesquisas em Geografia Agrária e Conservação da Biodiversidade (GECA). Cidadã mato-grossense por título e de coração. Ama rezar e festejar, escrever e viajar. É vegetariana e vovó da Alexia.

Edenilson Dutra de Moura 
É filho de mineiros. Cuiabano convicto. Viajante apaixonado. Professor da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), do Câmpus Binacional – Oiapoque. Doutorando em Geografia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Bacharel e Mestre em Geografia, ambos os títulos obtidos pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Tem experiência em Geografia Humana e atua, principalmente, nas seguintes áreas: Geografia Urbana, Geografia Cultural e no tema cidade e fronteira. Viciado em café e gente do bem. Tio coruja do Gabriel. 

AS PESSOAS CLAMAM POR PAZ: 
“FRATERNIDADE - CAMINHOS DE LUZ, AXÉ”

Na manhã ensolarada de 29 de junho de 2019, aconteceu a terceira Lavagem das Escadarias da Igreja Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, edificada por pessoas que foram escravizadas, constituindo um ato cultural de tradição, memória e reverência à ancestralidade, louvando a São Benedito, o santo negro, no lugar reivindicado como espaço de circulação de pessoas afrobrasileiras e, também, por aquelas que almejam um mundo de paz e sem preconceitos. O evento faz parte do calendário oficial de Cuiabá e acontece no sábado que antecede a festa de São Benedito. Tem como patrono, o saudoso Antônio Mulato, da comunidade quilombola Mata Cavalo.


O grupo sacerdotal da Lavagem agrega umbandistas e candomblecistas de várias tradições, responsáveis pela preparação da água para o ritual, que purifica e abençoa as pessoas participantes. A Casa Cuiabana constituiu um espaço importante na preparação de etapas simbólicas da Lavagem, como a preparação das quartinhas dos orixás, com flores e águas perfumadas por diversas folhas maceradas.


Com o tema “Fraternidade, Caminhos de Luz, Axé”, a Lavagem reuniu  pessoas que clamavam por paz na cidade, entre elas, lideranças do movimento negro, religiosos, ciganos e LGBTQIA+. O branco estava presente nas roupas dos participantes do cortejo e nas vestimentas tradicionais de umbandistas e candomblecistas. Bandeiras brancas traziam a palavra “Paz”.


O cortejo foi acompanhado por um trio elétrico, onde o pai de santo Paulo de Oxumaré, realizava as orações, acompanhado pelo coral e pelos instrumentistas de sopro, principalmente cornetas, cantando e tocando diferentes canções. Sons de atabaques, tambores e xequerês ecoavam no ambiente. Após o cortejo, a comissão sacerdotal e as pessoas responsáveis pela cerimônia da Lavagem se posicionaram em frente à Igreja do Rosário, empunhando vassouras de palha de ariri, preparadas pelo Nezinho, de Mata Cavalo, e vassouras de piaçava. A comissão organizadora, presidida pela mãe de santo Maria José de Castilho Gonçalves, pronunciou breves falas e agradecimentos, com a soltura de pombos brancos, que simbolizam a paz. 


No ano do tricentenário de Cuiabá, as águas perfumadas com alfazema, jorraram de um “caminhão-pipa”. Este foi o momento mais esperado da cerimônia. De maneira ágil, muitas mulheres e, também, alguns homens, lavaram as escadarias do Rosário e São Benedito, de pés descalços, cantando e alegrando o ambiente, que exalava o perfume das ervas. A água tem grande importância na Umbanda e no Candomblé pelo seu poder de absorver, acumular ou descarregar qualquer vibração, seja ela benéfica ou maléfica. A cerimônia chamou a atenção dos transeuntes nessa manhã.


As flores, carregadas com afetividade e alegria nas quartinhas, com as águas sagradas, foram utilizadas, pelas mães de santo, para aspergir as pessoas. Em seguida, as flores foram oferecidas às pessoas, num gesto de carinho.


Pouco após a Lavagem das Escadarias, formou-se uma roda de dança entre mulheres e mães de santo, embaladas pelas batidas e canções umbandistas e candomblecistas. O momento era de confraternização pela Lavagem que aconteceu no espaço mais sagrado e de maior importância do ritual: no Largo do Rosário. No mesmo espaço da roda de dança, foi anunciada a participação do Centro Cultural Aruandê, um grupo de capoeira, que abrilhantou e finalizou o evento naquele local, convidando as pessoas presentes a entrar e jogar na roda, ao som dos berimbaus.