25.jpg

Ruth Albernaz
(Cuiabá, 1972) vive em Cuiabá e Chapada dos Guimarães. Doutora em Biodiversidade Amazônica pela Rede Bionorte - MCTI/UNEMAT, com pesquisa pelo viés Arte/cultura/conservação da biodiversidade da floresta Amazônica; curadora independente de arte. Artista visual interdisciplinar, utiliza-se de diversos suportes e propõe um transbordamento de linguagens para suas composições em papéis, instalações, desobjetos, pinturas, xilogravuras, poemas e ilustrações.

JURUENA 

A mata, o rio, os bichos, a chuva, a roça, as festas são a nossa vida, não temos como viver sem eles... Eles que nos fazem Rikbaktsa.
Geraldino Rikbakta

Agora estou na floresta Amazônica na Terra Indígena Japuíra do Povo Rikbaktsa. Cada vez que chego ao rio Juruena me emociono com suas cores, em tons de verde-esmeralda translúcido e azul do céu espelhado. É tempo da seca, a água baixou e reaparecem as praias de areias brancas nas orlas das ilhas, paisagem de beleza paradisíaca. Quando nos aproximamos das ilhas, percebemos a transparência da água, a profundidade do rio, as plantinhas submersas e os pequenos peixes. O fundo e o raso se encontram, me chamam a adentrar em suas profundezas, criando um portal. Tenho sempre a sensação que estou numa grande esmeralda líquida encantada, misteriosa, morada de outros seres, os seres d’água, onde guardam os mitos fundantes do Povo Rikbaktsa. Flores róseas de Samaúma descem desapegadas de suas árvores, navegantes, se entregam ao fluxo do rio. Passo por entre ilhas de onde exalam um perfume de flores de fazer inveja aos perfumistas franceses. Comento com o cacique Francisco sobre o perfume, ele imediatamente ruma em direção a uma ilhota e desliga o motor do barco deixando que o perfume se una aos sons dos seres da floresta e à visualidade das pequeninas flores brancas d`um cipó – são as produtoras daquele aroma indescritível! [...]. 


É preciso conhecer o Juruena para saber de onde vem o meu devir e o reconhecimento da importância da cultura Rikbaktsa. É noite de lua cheia, no balançar da rede comigo mesma aqui na aldeia Pé de Mutum, tudo o que vivi hoje me fez lembrar de Heráclito, quando disse que não podemos pisar duas vezes no mesmo rio, pois outras águas, e ainda outras, vão fluir [Fragmento do caderno de campo, nº7].


Este relato é um manifesto poético que clama pela manutenção das culturas indígenas e sobrevivência de outros seres habitantes do Vale do Rio Juruena ameaçados pelos projetos de construção das Usinas Hidrelétricas de grande porte naquela região. É preciso deixar as águas fluírem sem represamentos e os Rikbaktsa têm o direito de continuar-se.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook