© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

Rubenio Marcelo

É poeta, compositor e crítico, membro efetivo e atual secretário-geral da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras (Cadeira nº 35) e membro correspondente da Academia Mato-Grossense de Letras. Autor de 12 livros publicados e 3 CDs. Recentemente, lançou o livro “Palavras em Plenitude – prosa e crítica cultural”, e o CD musical “Parcerias: na poética de Rubenio Marcelo”. É um dos autores homenageados no livro “Vozes da Literatura” (FCMS), reunião de autores contemporâneos. Também advogado e revisor, reside em Campo Grande/MS.

O AZUL DEVE SER O SONHO DOS PARDAIS...

há um ardor
e uma dor
em cada pedra 
e em cada ruflar de asas...

há o mesmo reino 
entre uma formiga 
          e um morcego 
          e uma gaivota
mas não há 
a mesma melodia nos faróis
quando os mares ofertam 
         às tardes os mesmos mistérios

antes de entender o sol
azul deve ser o sonho dos pardais...

a poesia
é dor e sal
é dorsal...
leva ao dorso do infinito
o pulsar do girassol 
              que estava em decúbito...

nenhuma sombra
assombra o silêncio das pedras aladas...

PARTITURAS DE PARDAIS...

Apenas quero que me deixes
          [em tua tenda branca]
clarear a visão
para levar o graveto caído do bico do pássaro
                                        ao ninho do destino.

quero apenas 
saciar o cio da minha sede
no filete indiferente
que azuleja a fonte
e revela o refúgio seguro das pedras...

apenas quero que me olhes
com retinas em partituras de pardais
para que eu me redima
dos passos escassos de horizontes...

quero apenas que me acolhas
que recolhas
as partilhas e contestações
e que me tenhas
em tuas senhas...

apenas
a chama da intuição
– a despretensão de suscitar o fascínio 
e o autossacrifício do silêncio

apenas sentir-te sem finitudes

encontrar-me...

apenas 
quero o sol do teu abrigo,
poema meu!