Rodrigo Maciel Meloni

Jornalista, ativista gay e estudioso da comunicação de massa, o escritor que já teve contos publicados em diversos blogs, sites mato-grossenses e nacionais, se aventura na publicação de seu livro de estreia: Coitado do homem cujos desejos dependem. Estudioso do underground cuiabano e aficionado pelas manifestações artísticas, já colaborou com diversos compositores de bandas do submundo cultural, assessorou festivais de cinema e exposições e colabora, sempre que pode, com a destruição do status quo.

UM TREM QUE EXPLODE DE FORA PRA DENTRO

Já não posso conter essa trave
Na língua que chupa, morde, xinga, faz Verbo,
Cria Deus, mata mito.
Já não posso passar o ar por ela, sem ter em você o oxigênio do que se cria em vida minha;
O que for rodear por ela, língua minha, língua sua quando sua boca entra: é mais que tudo; somos nós.
Nem tento mais tentar, nem busco mais sentir, entrar, sair, 
coisa essa de língua solta,
Língua minha que quer boca sua.
Essa boca que guarda língua pronta para ferir, palavra por palavra, 
quem meu amor sentir.
Já não posso mais segurar nada que nasce na ponta, na fronte, 
da minha língua pequena, pequena minha.
Já não tenho mais saliva para escorrer, não consigo mais ver sabor no que te dizer, 
a não ser te amo, te amo, te amo, 
até essa língua que só quer te lamber, te sentir, te chupar te amar se canse de te dizer: te amo.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook