© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

Rodivaldo Ribeiro
É criador e idealizador do Ruído Manifesto. É jornalista, autor de Essa Armadilha, O Corpo (Chiado Books, 2018) e Na Estrada (Entrelinhas, 2017). 

APRESENTAÇÃO

Dois anos se passaram desde que partiu de Cuiabá um navio carregado com o sonho de retratar a diversidade cultural da literatura nascida entre nós, de norte a sul, de leste a oeste do Brasil. Guardado em seu interior, um cofre recheado de saberes ancestrais, sem distinção de crença, raças, classes nem de suas diversidades sociais e sexuais. A intenção desse tempo era manter viva a simples ideia de que integração é o que nos define enquanto povo e país.


Hoje, temos orgulho — dado o momento atual de nossa democracia, com o recente episódio do ex-secretário nacional de cultura admirador de Goebbels — de haver antecipado com o Ruído Manifesto um grito antiopressão que contava inicialmente só com nossas vozes, às quais se juntaram depois as de dezenas de outros poetas, escritores, cineastas, tradutores, artistas plásticos, bailarinos. Agora, passamos das centenas de cultuadores de ideias, da arte e da liberdade - e nos sentimos muito honrados com isso. 


Como sempre acontece, entretanto, nos inícios, há pouco mais de dois anos e meio o site era somente uma ideia romântica, tola como o é (diriam alguns) escrever um poema ou um conto. Cabe confessar que o ímpeto por volta de 2013 (quando juntamos a equipe de editores nomeada logo abaixo) era por ruptura de certas imposições mercadológicas e por vezes acadêmicas sobre certa produção intelectual de alto nível, mas que vinha sendo pouco divulgada e, por várias outras vezes, ignorada. 


Agora o cenário clama por liberdade - e todos que nela acreditamos temos a obrigação de buscar, com toda a dedicação possível, a manutenção de ao menos parte das garantias e fundamentos básicos necessários a qualquer democracia, como a livre e responsável expressão de ideias.


O mais peculiar da rota traçada até aqui é que decidimos zarpar por rios e mares calmos, mas agora seguimos firmes na ausência destes, sempre escorados por uma tripulação cada vez maior a impulsionar nosso entusiasmo.


Aqui cabe explicar brevemente que o processo necessário para manutenção dessa ideia ‘simples’ demanda complexidades várias, possíveis de serem abarcadas somente pela diversidade da equipe, formada atualmente por mim, Rodivaldo Ribeiro, pelas poetas, pesquisadoras e professoras da UFMT, Divanize Carbonieri e Lívia Bertges, mais o web designer, entusiasta de cinema e social media Felipe Martins, a escritora e doutora em cultura contemporânea Angela Coradini, o poeta e tradutor Matheus Guménin Barreto, a escritora Tita Martinuci, o escritor e cineasta Wuldson Marcelo, além de talentosíssimos colunistas fixos: Fabiano Calixto, Maria Ferreira, Caio Augusto Leite, Carla Cunha e Aline Wendpap.


Um trabalho intenso e voluntário envolve selecionar, responder e publicar vários escritores a cada semana. Labor diário que merece e precisa receber todo reconhecimento. Obrigado a todos e a cada um que publicou e faz parte de nosso barulho antifascismo, antinazismo – antirrepressão.