© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

Rita Queiroz 
É natural de Salvador, Bahia. Professora universitária, filóloga (pesquisadora do manuscrito), poeta. Autora dos livros “Confissões de Afrodite”, “O Canto da borboleta”, “Canibalismos” (Penalux, 2019, 2018, 2017), “Ciranda, cirandinha: vamos brincar com poesia?” (Infantil) e “Colheitas” (Darda, 2019, 2018). Organizadora de coletâneas. Colunista na Revista Cultural Evidenciarte. Integrante de diversas antologias, no Brasil e no exterior, e dos coletivos “Confraria Poética Feminina”, “Mulherio das Letras” e “Coletivo de autoras de literatura infantil e infanto-juvenil da Bahia-CALIIB”.

ROSAS RUBRAS

Danço em torno de lobos
Vestidos em pele de cordeiro,
A dilacerarem minhas vestes de sol,
Maculando meu ventre de mãe África.

Sangro além das linhas do tempo
Rosas rubras solitárias plantadas na lua,
Escrita que transgride a profecia
Do exercício de fêmea expulsa do paraíso.

Contemplo as garras que devoram minhas vísceras,
Que insistem em florescer amor
Nas canções que embalam o crepúsculo.

Me refaço no emaranhado dos dias,
Deixando pela estrada as folhas mortas
E as cinzas que adubam as margens vazias.

CONCERTO DE CÂMARA

Transbordo em silêncios
Notas de uma partitura
Esperança que rasura a alma
Dentes da fera
a sair da jaula!