10.png

Pablo Rezende  
É filho de dona Ilda, poeta e professor de Língua Portuguesa, Literatura e Redação da Rede Pública do Estado do Mato Grosso. É graduado em Letras – Português/Inglês pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e Mestrando em Estudos Literários pela Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT). É autor do livro O dever e o haver, publicado pela Literata, em 2011. Têm poemas publicados em várias antologias poéticas nacionais e internacionais.

HERANÇA

Criança,
Recebi de meu avô
Uma herança:
Um gibão,
Uma lança,
Um escudo
Com brasão
Da nobre família
Cabeza de Vaca.

Ele me disse:
“Serás soldado castelhano”.

Mas eu,
Menino criado no porto,
Vendo os navios partindo
Rumo às Índias
De sedas e califas,
Pensei:
“Meu destino
É navegador,
Meu avô”.

GOVERNADOR

Cabeza de Vaca
Volta governador
De todo o Prata e Paraguai.
Confia cegamente
Em quem trai,
Mente 
E mata.

Inimigos o acusam
De crimes terríveis.
Ele que só queria os nativos
Tratados decentemente.

Preso,
Processado,
Exilado para a África.
No fim,
Inocentado,
Morre o pobre degredado.

Governador,
Acabaram-se os sonhos
Em intriga e dor.

 

 

 

 

 

 


CARTA AO REI DE ESPANHA

Majestade,
Eu,
Cabeza de Vaca,
Mergulho a pena no tinteiro,
Escrevo-lhe sobre uma nova Espanha,
Que fica muito além deste mar,
Desta montanha.

Conheci, nessa viagem,
O fragor da tempestade,
A voragem do naufrágio.
Chegamos a uma ilha
E dela conto maravilhas:
Plantas verdes e vermelhas,
Animais que se assemelham
A leões e panteras.
Homens selvagens,
Que, logo percebi,
Eram bons e maus,
Como em todas as paragens.

Como saímos daquela ilha,
Onde tantos foram mortos
Em rituais
E guerrilhas,
Foi assombroso milagre;
Liberdade,
Depois da armadilha.
Escrevi tudo por inteiro,
Por vontade,
Mas ficou uma gota azul
No fundo do tinteiro.
Perdoe-me, Majestade.

 

 

ANDARILHO DAS AMÉRICAS

Cabeza de Vaca,
Filho de nobres,
Soldado,
Navegador,
Escravo,
Curandeiro,
Governador,
Réu injustiçado.

Tudo gravado,
Com pena e tinteiro,
Pois foi escritor.

Do passado
De aventuras homéricas,
Restaram o brilho,
O fascínio,
Os feitos
Do Andarilho das Américas.