Pablo Rezende

É filho de dona Ilda, poeta e professor de Língua Portuguesa, Literatura e Redação da Rede Pública do Estado do Mato Grosso. É graduado em Letras – Português/Inglês pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e Mestrando em Estudos Literários pela Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT). É autor do livro O dever e o haver, publicado pela Literata, em 2011. Têm poemas publicados em várias antologias poéticas nacionais e internacionais.

GIRASSÓIS

(À mulher amada)

Nasceste em minhas mãos febris
Na primavera de nossos corpos orbitais. 
Irrompeste a derme oca e nauseante
De meus versos opacos.

Sem a necessidade de um complemento sêmico
Fizeste de meu mundo escuro, claridade. 
Com teus braços em pétalas de fogo 
Trouxeste a luz sobre a escuridão de meus tortos olhos.

Uma nova realidade brotou de minha concepção
Fizeste sentido a uma confusão crônica.
Com teus olhos gentis
Sem a necessidade de dois lábios
(Beijaste-me a alma e me colocaste eternamente em teu sonho). 

Trouxeste as cores, o corpo
e toda a sensibilidade de Van Gogh 
Sobre meu gesto branco
Pintaste doze Girassóis
Fizeste de meu corpo poesia
A vida em amarelo. 

Sob A noite estrelada
Meu corpo estava coberto de ti
Em mim só havia você
Trouxeste o signo poético
O tempo correto,
o amor correto.
Antes da primavera nada havia em mim
Apenas o deserto dos pomares invertidos.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook