27.jpg

Pablo Rezende  
É filho de dona Ilda, poeta e professor de Língua Portuguesa, Literatura e Redação da Rede Pública do Estado do Mato Grosso. É graduado em Letras – Português/Inglês pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e Mestrando em Estudos Literários pela Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT). É autor do livro O dever e o haver, publicado pela Literata, em 2011. Têm poemas publicados em várias antologias poéticas nacionais e internacionais.

POEMA

São tantas noites em claro
Em que escrevo o teu nome
(sonoro como doze girassóis em um vaso)
Mas logo a nódoa escura em meu peito
apaga 

Mudo meus olhos de lugar
Abro a geladeira e não encontro os versos que procuro
Espaço os móveis pela casa
Reviro os livros da estante
Inclino-me sobre o corpo que cai
Não encontro nada

Não tenho sede, não tenho fome
O imã da geladeira aponta para uma terra distante, 
O calendário sobre a mesa aponta para um tempo distante

Encontro apenas o bolo de laranja partido
Encontro apenas o leite desnatado vencido

São 11 horas da noite
Um copo de leite, três fatias de bolo
Coração partido
Coração vencido.

Ansiedade
Daqui a sete horas
Não terei sono
Meu coração continuará
E eu continuarei a escrever teu nome
Tão similar, tão sibilar
Da sede a fome que não tenho
Dos móveis espaços aos livros revirados  
Dos olhos abertos à boca negra que desenho
Escrevo-te
(Tão logo apago).

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook