© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

Pablo Rezende  
É filho de dona Ilda, poeta e professor de Língua Portuguesa, Literatura e Redação da Rede Pública do Estado do Mato Grosso. É graduado em Letras – Português/Inglês pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e Mestrando em Estudos Literários pela Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT). É autor do livro O dever e o haver, publicado pela Literata, em 2011. Têm poemas publicados em várias antologias poéticas nacionais e internacionais.

PLAZA FRANCIA

Estava eu no auge de minha felicidade efêmera 
Numa dessas praças que os burgueses sabem fazer de melhor:
Beber vinho, delirar e arrotar os momentos felizes
e luxuosos de suas várias vidas.

Quando de repente, não mais que de repente
Um bicho, desses que invadem a vida das pessoas
Na decadência de seus 50 anos
O corpo todo sujo de homens caídos
Atrapalha o movimento e a paisagem natural.

De costas, impacientemente
A fera revira todos os lixos na altura de seu coração
Na esperança de encontrar um alimento
Que possa confortar teu corpo
E repousar teus olhos cansados e feridos.

Olhos fixos em teus olhos espalhados
Tenho a noção de que ele não é deste lugar
Vejo o corpo, o gesto gritando por alimento
Por um sonho humilde e um gesto comum.

Tenho a certeza de que este bicho
Embora me pareça outra coisa
Não é um bicho
Mas um homem com as feições de meu pai
Que na altura de seus devaneios
Aprendeu a viver a realidade
Como eu nunca soube.