17.png

Olga Maria Castrillon-Mendes 
É professora do Curso de Letras da Universidade do Estado de Mato Grosso/UNEMAT, dos Programas de Mestrado Profissional em Linguagem/PROFLETRAS e Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários/PPGEL/UNEMAT. É Sócia Efetiva do Instituto Histórico e Geográfico de Cáceres e da Academia Mato-Grossense de Letras; Líder do Grupo de Pesquisa “Questões históricas e compreensão da literatura brasileira” (CNPq/UNEMAT/2002). Integra os Grupos: RG Dicke de Estudos em Cultura e Literatura de Mato Grosso (CNPq/UFMT). É autora de Taunay viajante: construção imagética de Mato Grosso (Cuiabá: EdUFMT, 2013) e Discurso de constituição da fronteira (www.unemat.br/publicações/e-book, 2017), além de artigos em periódicos e coletâneas nacionais e internacionais.

ENTRE O ESPELHO DE SI E A CONTEMPLAÇÃO DO MUNDO 

Costumo chamá-la de “Dona”, tomada pela sua última publicação. Que voz é essa que tecem os labirintos da memória e constroem processos de certa subversão dos sentimentos, ou do jogo de espelhos em que se prefiguram os mundos da escrita, do escritor e do leitor? Acertou quem trouxe à memória a exuberante Luciene Carvalho. Ao mesmo tempo musa das periferias e dos sentimentos extravasados sem medos ou recolhimentos, despretensiosa, mas profundamente demolidora, varia temas em que mulheres invisíveis fecundam imagens de profunda reflexão crítica. No breve/fugaz instante dos olhares sobre si, janelas se abrem em cada livro flagrado na sua crescente madurez poética.  Olhos se exercitam na hibernação de sujeitos que se superam, descobrem novas formas de encarar o espelho, estruturando-se em camadas como massa folhada. Escamações do cotidiano entre temores, cansaços dos ardores da paixão para “envelhecer sem luta, sem dor de espelho”. São outros de si, do outro que finge desconhecer a própria imagem, pois o reflexo é a luz que mostra os contornos do que se assujeita a mirar por entre lâminas. 


Qual, então, um possível sentido da poesia para Luciene Carvalho? É ela mesma quem diz: “Minhas crônicas contam minha lenda/vão muito além do que a medicação alcança”; “Fiquei zangada/até o raiar do dia/e a zanga só passou/ quando virou poesia”. Digo, por essas e outras, que a essência do poético transcende temporalidades; está no início, mas também no fim, naquilo que sua produção contém de humanidade. A poesia é, pois, terapia. Sai do mundo exterior (espelho), passa pelos mistérios encerrados em caixas hermeticamente fechadas (como a mítica Pandora), até alcançar a plenitude do Ser. Constrói-se, então, cosmo-imagens do humano, conexão e heterogeneidade em que um ponto se conecta a outro em linhas de fuga e intensidades, consistências e fluidez. Seus escritos nos chegam intensa e deliberadamente por determinações que violam a imobilidade, a perenidade dos códigos e, principalmente, a desigualdade social, criando assim, novos paradigmas do que se entende por “margem”. Cidade e favela, centro e periferia são libertas na sua escrita. Adentrar esses mundos vale tanto pelo refrigério que a poesia causa na alma (e no corpo), quanto pelas reflexões que provoca – não só sobre a mulher e o seu papel social ao longo da história – mas sobre a natureza do feminino, desta feita, madura, pois vivido por um eu poético sedento de liberdade e do que há de humano na relação da mulher consigo mesma.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook