Anna Maria Ribeiro Costa

É doutora em História pela UFPE e Professora do Univag. Chegou às terras do povo indígena Nambiquara na Primavera de 1982. Dos índios recebeu o nome Alusu, por conta de seus hábitos alimentares. Nessas terras, conheceu José Eduardo, com quem tem dois filhos: Theo e Loyuá. Vem se dedicando aos estudos sobre os povos indígenas de Mato Grosso, com especial atenção ao Nambiquara.

O COAXAR DOS SAPOS

O povo indígena Nambiquara do Cerrado acredita que esta história aconteceu há muitos e muitos anos. Em dias tão longínquos dos de hoje que não dá para contar. De jeito nenhum. Nem com a infinidade dos números. Foi no ‘tempo de antigamente’, kaninaitã, como costumam dizer, época em que não conhecia a agricultura e os seres humanos, aves, mamíferos, répteis, peixes, anfíbios, insetos conversavam entre si. 


O sapo cunauaru, de coloração cinza escura, cansado, muito magro e sem condições de se movimentar, ao encontrar seu companheiro no meio do caminho, pediu para que o levasse para um oco de pau. Explicou que estava muito doente. O sapo prontamente aceitou ajudar seu parente e o carregou em suas costas até um tronco de árvore onde havia um buraco fundo e escuro. Antes de ir, deixou uma cuia com água. E lá ficou o sapo enfermo que, logo se pôs a coaxar para o sapo solidário. 

 

O sapo solidário, indiferente ao coaxar do sapo adoentado, seguiu seu caminho, a pular e engolir insetos até se fartar. Aborrecido, de dentro do oco do pau, perguntou ao companheiro se gostava de sua voz. Empanturrado de insetos, displicentemente respondeu que sua voz era feia e fina. 


Mas, o sapo adoentado, que precisava demonstrar que recuperara suas forças e que estava tão forte quanto o companheiro solidário, esforçou-se ainda mais. E de dentro do lugar oco, demonstrou com exibição sua voz. Novamente quis saber a opinião do sapo que continuava deitado de barriga cheia. Mais preocupado em continuar sua perseguição aos mosquitos, afirmou que sua voz estava grossa e bonita. 


O sapo vaidoso, passou a morar e a nidificar no oco da árvore, onde sempre tem água. Na época das chuvas, todos podem ouvir sua voz: kuãru, kuãru, kuãru.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook