Ni Brisant
É poeta, slammer, agitador cultural, revisor e editor. É autor de Tratado sobre o coração das coisas ditas, Para Brisa e Amor livre é pleonasmo; também publicou Se eu tivesse meu próprio dicionário e A revolução dos feios, ambos receberam versão em espanhol. Um dos nomes mais expressivos da  literatura periférica, é idealizador do Movimento Cultural Sobrenome Liberdade e fundador da editora Trovoar. Frequenta circuito de Slam, especialmente o Slam do 13. Possui graduação em Letras.

SE EU TIVESSE MEU PRÓPRIO DICIONÁRIO
 
Mãe não me pariu poeta
no entanto
aqui jazz
mim

ADULTO: brinquedo que esqueceu como funciona.
 acredita que viver é pagar contas.

ÁGUA: vitamina para sertanejo

BIBLIOTECA: casa de telescópios
abrigo de livruniversos

CACHAÇA: esparadrapo que as pessoas grudam sobre corações feridos
(cuidado para não exagerar)

 

DEPRESSÃO: quando todos os dias viram madrugada

 

DIVÓRCIO: separação
quando duas pessoas guardam o amor tão bem guardado [mas tão bem] que até esquecem

 

ESCRITOR(A): quem leu o coração do mundo
e não guardou segredo

 

FELICIDADE: o que acontece aqui-agora.
vixi... passou!
era felicidade. viu?

 

FÉRIAS: autopresente que se gasta o ano todo
para pagar

 

FILHO: 2º coração
que pulsa fora do peito

 

GOLEIRO: passarinho, cuja maldição 
é vestir luvas no lugar das penas

 

HORIZONTE: fronteira quando o coração sobe aos olhos e pergunta
– falta muito pra felicidade chegar?

 

INFÂNCIA: matéria-prima limite da alegria
dos sonhos

 

INFERNO: sala reservada 
para quem nunca foi paraíso para alguém

 

JARDIM: filhote de floresta
que ficou de castigo no quintal

 

LITERATURA: grito dentro d’água

 

LIVRO: semente de infinitos, dispositivo de visitas íntimas
alguns fazem dormir. outros, despertam

 

MÃE: ...
só por garantia de nunca acabar nem precisar de palavra que explique

 

MÚSICA: terra natal de passarinhos
mapa para a liberdade

 

POESIA: é o que a gente sente. O resto é  literatura.
o que fica quando o verso acaba
se as palavras não nos tiram do lugar
são só palavras

 

QUADRIL: eixo que rege a dança
o andar, o amor e outras importâncias

 

REVOLUÇÃO: quando a justiça, a paz e o amor abraçam todas as pessoas do mundo
ao mesmo tempo

 

SARAU: céu, onde as estrelas descem para aprender a ser gente

 

SORRISO: esboço do beijo

 

TORNEIRA: rio com fechadura

 

VENTO: capacete de poeta

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook