© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

Nelson Maca
É poeta e professor de literatura brasileira. Mora em Salvador, onde fundou, há 20 anos, o Coletivo Blackitude: Vozes Negras da Bahia, que, há 10 anos, realiza o Sarau Bem Black. Lançou o livro de poemas Gramática da Ira. No segundo semestre de 2019, lança os livros Go Afrika (poemas) – na Balada Literária e no Sarau da Cooperifa, durante o mês passado, setembro – e Relatos da Guerra Preta: Bahia Baixa Estação (contos).   Foto: Lucas Bernardi

DIÁSPORA

A tatuagem nefanda diz minha carne importada
Diz a frieza da corrente
Diz às voltas do chicote
Diz a madeira da canga
Diz a dureza do tronco
Minha carne entalhada é minha crônica de viagem
Minha pele estampada é meu diário da descoberta
Meu couro impresso é meu livro de registros
Minha caligrafia torta é meu desvio de conduta
Aprendi a soletrar de corpo inteiro
Nos intervalos da existência
Nos pigmentos da aparência
Aprendi a decifrar meus códigos
Não mais aquelas vozes d’áfricas nos quentes desertos
Estranhas, vagas e sem respostas!

CORES

Entre escárnios
Já fui chamado negro sujo
Entre afagos
Já disseram que não sou tão preto
Que sou mestiço, escuro, mulato
Todo tipo de palavra que me apaga 

Eu sou noite ébano azeviche
Eu sou lápis risco preto sou grafite
Entre escárnios
Já fui chamado branca de neve
Entre afagos
Já disseram que sou um deus negro
Que sou mestiço, escuro, mulato
Todo tipo de palavra que me apaga 

Eu sou noite ébano azeviche
Eu sou lápis risco preto sou grafite
Entre escárnios
Já fui chamado de negão
Entre afagos
Já disseram que a minha a alma é branca

Entre escárnios
Já fui chamado africano
Entre afagos
Já disseram que sou um belo cabo verde
 

APRENDIZADO

Meu degredo minha escola
Tempo de origem
Nomeada
Eu
Que não sabia o significado da palavra
Pigmento
Eu
Que não sentia o peso de minha
Melanina
Precisei apanhar um tanto
Para pensar um pouco
Precisei distender meus sentidos
Para sentir minhas dobras
Todos os cuidados não me ocultaram
Os gestos dos que me apontaram
Olhares secretos que se cruzavam
Os risos todos que me cercavam
Rumores rubores constrangimentos insultos desacatos
Me revelaram
Negro
Qualificativo feio e inquietante
Nunca antes trocado em família
Tornou-se inevitável o meu aprendizado