10-2.jpg
Mateus Elias.jpg

Mateus Elias 
É graduando em engenharia civil, influencer, youtuber, faixa preta de karatê, tocador de viola de cocho e escritor. No canal “Xomano do Saber” fala de literatura e de cultura mato-grossense. Publica seus textos no blog “Memórias do Xomano” e é autor do livro de poesias “Cada Memória Vivida”. É autor de letras de canções em Portugal pela Rausstuna. Nasceu e mora em Cuiabá.

TRAUMA DE GUERRA

Bem, será que vão estar lá ainda? Não sei, linda. Elas só voltam à noite.
Benjamim girou a chave. Antes de acender a luz, bisoiou o interruptor. A sala e a cozinha se iluminaram, e “Bem” entrou na casa. As duas gatinhas logo se chegaram, arrastando-se na perna do dono. Barra limpa. Maria segurou a bolsa contra os seios e pisou com um pé para dentro da casa. Seus olhos correram pelo piso. Nenhuma sujeira, nenhuma mancha pregada no branco dos azulejos. Melhor que isso: nenhuma mancha “correndo” pelo chão ou pelas paredes. Parece que a dedetização começou a funcionar...
Maria jogou a chave do carro sobre a mesa de cabeceira. Ela entrou no banheiro, olhando-se no espelho. Vamos dormir logo, hein. Nada de safadeza. Horas depois, Benjamim continuava procurando uma posição confortável. Olhou para o teto, cujo branco não lhe dava sono, contou carneirinhos, e nada. Olhou para a mulher, que usava o próprio cabelo como tapa-olhos. Quer saber? Vou beber uma água.
Era início da noite. Na cozinha, pegou a jarra d’água mais fria e olhou pelo corredor. Maria não estava, então ele verteu a água na boca apressadamente e guardou a jarra. Engolia o líquido em transe, desapercebido do mundo. De repente, a máquina de lavar se move com grande estrondo. Jesus, que isso? Sua boca sorria, mas seus olhos choravam. Virou-se e deu o primeiro passo para correr, mas logo parou.
Na soleira da porta pela qual entrara, uma barata o encarava. O inseto o provocava com aquelas anteninhas inquietas e desaforadas. Benjamim podia ouvi-la xingando sua mãe. Ele arrancou o chinelo do pé e desferiu um golpe, mas era noite de sorte do artrópode. Escapou lisa como sabão e correu para debaixo do armário. Benjamim estendeu o chinelo até lá, mas o Usain Bolt da classe insecta desapareceu. Que isso, amor? Maria acordou sobressaltada com o barulho da chinelada. As gatas se escondiam atrás de suas pernas. Ela escapou!
Maria chutou a canela do marido às cinco horas da manhã e foram preparar o café. Esfregando a cara, ela meteu uma mão para dentro da cozinha e vasculhou a parede em busca do interruptor. Quando as luzes se acenderam, um som crocante na sua mão acordou o casal na hora! Maria gritava e sacudia a mão com os restos de barata amassada. Havia baratas por todo lado.
Os dois se armaram de chinelos e travaram brutal batalha pela soberania da cozinha. O resultado foi horrendo. Algumas baratas certamente receberão homenagens póstumas em sua nação pela bravura de tentar subir nas pernas do inimigo. Outras viverão em eterna desonra por terem batido em retirada ser ter lutado.
É sempre a mesma estratégia. Elas somem durante o dia e voltam na madrugada. No dia seguinte, quem deu a primeira chinelada foi Maria: Olha só. Eu estourei essa aqui, e continua mexendo as antenas. Tem que ser na cabeça. É como um zumbi. Pois eu vi um documentário ontem dizendo que elas são os únicos seres vivos que sobrevivem a uma hecatombe nuclear. Cacete! E o que é que colocam no inseticida então?
No dia seguinte: Bem, que tal se a gente for embora e deixar as gatas tomando conta da cozinha? Coitadas. Não! Por que não? Elas vão morrer de medo. Elas vão é evoluir e aprender a usar armas de fogo. Com licença!
Mais uma barata morria. Benjamim já estava especialista em chinelada a distância.
Os dias que sucederam amanheceram assim, até que, sem motivo, a paz voltou a reinar. Nunca mais aceitaram visitas antes das sete da manhã. Nunca comentaram sobre isso com os vizinhos. A carnificina que se operava nas madrugadas era segredo absoluto que guardavam. De vez em quando, uma simples tampa de garrafa caída no chão no escuro já lhes causava flashbacks da guerra. Qualquer ventinho que roçava as pernas lhes dava calafrios. A paz nunca mais os enganou. Após anos de casados, com o primeiro filho já crescido, recusavam-se a responder à pergunta: Pra quê serve esse chinelo na porta da cozinha? Deixa, filho. É pra quando precisar.