42.png

Marli Walker
É Doutora em Literatura (UnB). Leciona no IFMT e integra o Coletivo Maria Taquara - Mulherio das Letras/MT. Publicou os livros de poesia: Pó de serra (2006), Águas de encantação (2009) e Apesar do amor (2016), contemplado pelo edital do MEC para o PNLD (2018).

A POÉTICA INDÔMITA DE DIVANIZE CARBONIERI EM FURAGEM

Divanize Carbonieri é dessas poetas que conhecem os segredos da linguagem e, por isso, mas não só, a natureza enigmática do feminino se revela em Furagem (2020) tanto quanto ou mais que nas obras anteriores, seja em verso ou em prosa. Entretanto, não é só porque domina a lavratura do poético que Carbonieri avança em produção e premiações. Há na escritora uma verve que carrega uma força emocional imensa no sentido de buscar a descolonização linguística para instaurar uma fala singular no interior de um sistema repressor e exclusionário: a própria linguagem sexista que permeia todo o sistema patriarcal ao qual as línguas sempre serviram. 


Em seu projeto poético, Carbonieri se apropria de um dos filtros permitidos às mulheres, a linguagem literária, para expressar um estilo pautado em escolhas lexicais incomuns à escrita feminina. O filtro que considera ideal é aquele que serve para cavar buracos no discurso, ocupar os espaços vazios, as lacunas, os silêncios. Mais ainda, é apropriado para denunciar, perfurar a couraça do domínio masculino e inscrever nele e sobre ele a indômita linguagem da mulher que pulsa em reação e rebelião.


Divanize perfura esse domínio e o faz com fios de cobre – um dos primeiros materiais usados pela humanidade para produção de artefatos, na era do Cobre e do Bronze. Esses fios são os condutores das tensões elaboradas na escrita de Carbonieri que /fura a palavra no espaço /da página morta/. Ela empreende a fusão das três partes, Furagem, Couraça e Bagaço, e dessa liga resulta a potente energia deste conjunto composto por 54 poemas. 


A dirupção de Furagem inicia com “Fenda”, primeiro poema, que /rebenta a casca/, /desenterra/ a /camada funda/ e segue em movimentos que forçam a ruptura até atingir o “Fundo”, terceiro poema da série. Curiosamente, nesse bloco, o poema “Sanha”, revela semantismos simbólicos do mesmo campo a partir de imagens como o falo, a vulva, a vagina, a cava, a xana e, logo adiante, no poema “Furo”, um /escuro fundo/, um /furo/ que pulsa. Os versos, em sua maioria curtos, parecem mesmo imitar o movimento da pulsão que a linguagem da poetisa assume no corpo do poema.     


Da segunda parte, Couraça, destaco os poemas “Glutona”, “Feiura”, “Redoma”, “Fúria” e “Rugido” que criam uma armadura, talvez de cobre, para denunciar ou perfurar espaços autorizados exclusivamente ao canto masculino. Veja o leitor como o “Rugido” da

 

poeta ecoa seu balbucio:
homem pode escrever coisa sem sentido
vai ser sempre celebrado
palminhas nas costas
premiado
minha cabeça oca foi escavada
até o fundo
o fundamento todo da histeria
é afirmar não ser história
o balbucio


A mulher é sempre aquilo que desafia o homem, o que o questiona. Como tal, Carbonieri instaura seu canto-rugido e escava a linguagem até o fundo. A poetisa não é plateia, não é aplauso para uma história narrada pelos homens. Ela não é objeto narrado. Ela protagoniza a narrativa e responde de antemão a pergunta: como seria a história se vista através dos olhos das mulheres e ordenada pelos valores que elas definem? A consciência do sujeito histórico vem acentuada em Bagagem, terceira parte deste exercício político-poético. “Turmalina” é arremessada como pedra em /mar revolto /.../ de luto/ e luta/, o mar que traga /... o tronco da morta /.../ executada/ transmutada/ em tantas mais/ marias meninas/ mulheres/ tantas outras elas/ apelidadas marielles/. 


A poetisa rasga as cortinas do cárcere da língua para elaborar uma voz coletiva que denuncia e enuncia o imenso “Desalento” que a tarefa inglória lhe causa: /a desgraça me chama para sair da cama /me agarra pelos pulsos /me arrasta pelas ruelas da cidade /.../ o destino descarrega sobre nós sua carícia /assopra a música que nos fará surdos /tanta mística sem parcimônia /para que tudo seja apenas desalento. Surge, então, o “Arrecife” que parece prometer /nenúfares lilases. Mas essa leveza é transitória e fugaz, porque no arrecife /arrefece o viço /dos sonhos salutares /arremetendo /contra as pedras /em ondas céleres. E nessa “Quizila” o que resta e sobressai é outro furo, túnel escuro que soa como estampido aos olhos e ouvidos do leitor, pois /o fuzil já tá apontado pra você. 


Divanize Carbonieri é dententora de linguagem própria, autoral e marcante. O estilo inconfundível da mão da mulher que conhece os labores da “Lavra”, porque ela sabe que o /arroio intermitente de palavras /não amadurece a lavoura, ela sente que /para dar em boa lavra é /preciso aumentar a produção /de sons, traços e letras. Ela reconhece a dureza da lida, mas sabe que não é permitido a uma mulher silenciar, calar, entregar-se ao desalento. Por isso, não será domada. Não será calada. Não será “Interrompida”:


não serei interrompida
mesmo que rompida
arrombada só se for
pelos tiros porque
não é rombo ter
amado muito


A poesia de Divanize é um hino à resistência, é um canto que se ergue em uníssono para ser a voz das mulheres silenciadas, escamoteadas, pisadas, esquecidas. Ela soergue à máxima potência cada palavra escavada e escolhida entre tantas outras, atingindo a multiplicidade de sentidos que só a grande poesia pode alcançar e, mais que isso, resiste de forma indômita ao discurso hegemônico, no qual os sujeitos que falam se investem de um poder advindo do lugar que ocupam na sociedade, sendo que, “historicamente, esse sujeito imbuído do direito de falar é de classe média-alta, branco, e pertencente ao sexo masculino” (ZOLIN, 2009). Temos aqui uma mulher que realiza a mais perfeita furagem na linguagem e forja, assim, um tecido resistente transmutado em poesia. Os fios de cobre, em suas delicadas mãos, enlaçam os cantares que anuncia para si, para mim, para a outra, para todas nós. 

Cuiabá, em manhã enfumaçada de setembro.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook