17.png

Maria Marincina
É uma carioca deslocada no mundo. Roda pelo Brasil há vinte anos estudando plantas e colhendo histórias, captando momentos com tom de texto, que procura jogar no papel em ímpetos de escrita. A diversidade é sua inspiração e a floresta é sua musa. É formada em assuntos do coração e ama a quietude das gotas de chuva das manhãs nascentes.

COURO DE JIBOIA

Ele não teve palavras para explicar o que sentiu, o pajé. Não em língua portuguesa. Esse idioma estranho, estrangeiro, desses que vinham de fora, dessa que vinha buscar proteção. Há muito mau olhado, ela havia lhe dito, na esperança de que uma linguagem popular fosse-lhe mais apreensível. Pouco importava. Ele interpretou: “proteção”, e alcançou o vidro de perfume. É isso que vai te proteger. Falou as palavras, e sentiu o que não podia expressar em português, o peso, a opressão, o medo, a competitividade, tudo tão citadino, tudo tão civilizado, tão mercadológico, tão apropriado àquela urbe que por alguns meses lhe seria casa. Não é proteção de alguém que ela busca, pensou, em sua própria língua. É disso que se põe à volta, desse cimento e desse asfalto, de onde brota essa vaidade e essa cobiça por mais cimento e por mais asfalto.

Não há solução fora desse lugar.    


Não há respiro, porque o ar já está roto.

Na aldeia, nos confins de um afluente de um afluente do Rio Negro, o ar era outro. O pajé via as árvores, inalava o ar molhado da manhã, ou via os pássaros, e sabia quando estavam doentes, e sabia quando eram a cura. Eram cura, esse entorno era cura, e a doença que vinha nascia do que de branco se criava no lugar. Do ouro que atraía a desgraça consigo, que se aproximava da aldeia, mas ainda não chegara lá. Ainda era um refúgio, a aldeia, era a mesma dos avós e dos bisavós, era a da mata fechada com seu barulho noturno, que lhe contava os segredos do bem, do mal, do ser. Havia uma completude naquela natureza, no simples ser na natureza, no apenas estar na natureza, no respirar, no deixar-se levar pelo canto da mãe terra, com seus desejos, suas carícias em forma de brisa. A terra era pura existência, e dando tudo o que dava, não carecia dessas contendas em que vivia essa cidade, onde viera passar alguns meses.

Apenas alguns meses. 

Atendia pessoas assim, curando-as, falando as palavras de proteção, quando pediam. Fechava-lhes. Mas uma após a outra, como essa, que lhe vinha agora, traziam as mazelas não de si, mas dessa vida, dessa dureza urbana, desse viver fora de si. Não havia cura pra isso. Era banho de rio em que se prende a respiração até não se aguentar em baixo d’água, para vir depois o arfar do beijo da floresta. Não havia isso ali. Só o peso, só o drama, só o anseio pela posse do que fosse material ou não, fosse dinheiro ou fama, fosse corpo ou alma, fosse concreto, fosse lama. Ele não entedia esse anseio por um mundo que se desfazia com o tempo, com o destino, ao preço da paz que atravessava os espíritos desde sempre. Não havia como explicar o que não tinha materialidade nessa língua exógena, ele apenas sentiu, apenas protegeu.

Deu-lhe o frasco de perfume com um pedaço de couro de jiboia. Tem que voltar, é pesado demais, disse. Tem que proteger outras vezes. Queria dizer: tem que fugir, tem que acabar essa loucura, não há o que salve, não há quem salve essa gente que se destrói, e por que se destroem?

Por essas notas que dizem tanto valer.


Quando não compram a saúde que não podem ter.

E acabam aqui, procurando no que tanto se rejeitou a saúde que o dinheiro não lhes proporciona. Não há paz, não há paz, não há liberdade nesse inferno dessa cidade, não há liberdade se o homem não é livre para dela gozar, porque é escravo dessa vida de dia após dia construir o que o vento leva num segundo embora. O coração já vai morto faz tempo nessa cidade, nesse calvário.

Ele precisa voltar pro rio.


Ela pega o perfume, agradece. Mira o couro de jiboia. Proteção.


Porta afora, a dureza da urbe lhe recebe.


Porta adentro, a saudade da floresta inunda um coração.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook