12.png

Maria Cleunice Fantinati da Silva
Doutoranda em Estudos Literários - PPGEL _ UNEMAT . Linha de pesquisa Literatura e vida social em países de língua oficial portuguesa”. O Possui graduação em Letras com habilitação em Português e Espanhol pela Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário de Tangará da Serra, Especialização em Estudos Literários (UNEMAT) e Mestrado em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal de Mato Grosso . Professora titular do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso.- Campus avançado de Tangará da Serra/MT. Autora do Livro “Sem Poesias Sem Sentidos” 2013.

SONHOS DE UMA MÃE 

Verusca morava no interior de Mato Grosso. Bem no interior mesmo.   Teve apenas dois filhos: Kelvin e Kesyelle. O marido, vaqueiro de profissão.  Verusca, sonhos e ilusões.  No primeiro período do dia, cuidava dos afazeres do lar e, no segundo, trabalhava como faxineira na única escola da vila.  A vila era o ponto central de um grande assentamento agrícola.  A escola tinha muitos alunos, atendia toda aquela região, também algumas fazendas que circundavam o assentamento. Ofertava desde o ensino fundamental até o ensino médio, nos três períodos diários. 


Voltando para Verusca, queria ela, tudo o que não teve...  estudos e um futuro brilhante para os filhos.  De manhã, enquanto lavava, limpava a casa, ouvia rádio e na hora do horoscopo. Não perdia um dia e seguia aquilo como um ritual.  Mas, quando anunciava os signos do zodíaco pertencentes aos seus filhos, ficava inerte, ali de pé parada, se esquecia de tudo. Afinal Kesyelle brilharia. Um dia toda a vila iria se colocar aos seus pés. Perdia-se no mundo dos sonhos e pensava: “Leonina ama brilhar, é exuberante fascinante.  Kelvin, geminiano, múltiplo, diverso, curioso em todos os sentidos e, por isso que os geminianos sabem de tudo um pouco, pois possuem uma velocidade acelerada no aprendizado.”


 Os anos passaram, os filhos cresceram. Kelvin não contemplava as qualidades de um geminiano. Odiava estudar, não via a hora de terminar o ensino médio para trabalhar com o pai, na fazenda. Os sonhos de Verusca desandaram. Kelvin não quis conquistar o mundo. Foi conquistado.  Caiu de corpo e alma na primeira paixão e foram morar na fazenda. Mas, restava Kesyelle. Então, passou a concentrar toda sua energia em construir um futuro para a filha. Dizia Verusca para a menina, então com catorze ano de idade, que não caísse nos braços de nenhum pé vermelho da vila, porque ela iria para a cidade e faria curso superior. Kesyelle dizia que iria estudar medicina, mas mal fazia as tarefas da escola. 


Verusca investia seu salário em lindos cadernos, mochilas, calçados e roupas para a filha.  Nas festas da vila, estava sempre de roupa nova, curta e agarradinha. Ela dizia que a filha iria para o ensino médio e, assim que o concluísse, mãe e filha se mudariam para a cidade. Afinal, Kesyelle tinha que fazer um cursinho.   Mal completou quinze anos, já estava enrolada com um rapazinho da vila, três anos mais velho que ela. Tudo que a mãe não queria. Por fim, concordou. Os dois jovens poderiam, quando a menina concluísse o ensino Médio morar na cidade e se formar.  


Antes de Kesyelle, terminar o primeiro ano, do ensino médio, estava grávida.  Naquele ano, o namorado concluiu o ensino médio e ganhou uma moto do pai. O jovem casalzinho desfilou seu amor pela vila.  Kesyelle sentia muito sono e mal iniciou o segundo ano, abandou a escola. 


O pai do rapaz deu um terreninho e casalzinho construiu uma casinha na vila.  Nasceu a filhinha do jovem casal. Brigaram pela escolha do nome. Ele queria Amanda, ela queria com ípsilon. Por fim, ficou Thicyanne.  Comemoraram o primeiro aniversário da filhinha. Verusca estava boba de amor pela netinha, a enchia de presentes, lindas roupinhas, muitas sandalinhas...  agora sua esperança era o futuro da netinha.  Toda a sexta-feira, de manhã, o marido de Kesyelle levava e buscava a correspondência da vila.

 

Era rotina do rapaz. Como era de costume, naquela sexta-feira, beijou a filhinha e a esposa. Subiu na moto acelerou e nunca mais retornou. Tarde da noite, Kesyelle foi avisada, pelo sogro que deveriam ir à cidade.  O marido tinha sofrido um acidente de moto.  Encontrou -o no salão do Sindicato Rural, imóvel, num caixão sendo velado.  

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook