19.png

Marcos Blau
Nascido em Sinop - MT. 24 anos, estuda Direito (UNIC), toca guitarra na Banda Distrito 835, está escrevendo seu primeiro livro e tem um blog: https://sapientiaaboveblog.wordpress.com/

A TRAVESSIA

Em meio ao breu da mata desfolhada e de troncos secos, acordou Augusto. De paletó e gravata, se levantou. Limpou as vestes da poeira do chão, deu alguns passos, buscando compreender onde estava, quando, recordou, era para não estar. O nada, imaginava, era o que sempre esperou desse momento: morto, pois, se encontrava.


Deveria ficar assustado? Talvez. Porém, irregularidades emocionais de cunho negativo não eram de seu feitio habitual. “Ao menos as minhas frias carnes os vermes ainda não abocanharam”, troçou ele sobre as palavras de um célebre defunto. 


Explorando o caminho entre as árvores, percebeu que a brisa soprada aos poucos tornava-se úmida, transição justificada pela proximidade que, mais tarde avistou, o lugar tinha com um caudaloso rio. Ao passo que chegavam aquelas águas, alguns indivíduos, quase que como vultos, surgiam, sussurravam através da noite e desapareciam sem que suas fisionomias se delineassem a tempo de Augusto poder identificá-los. Outros, por sua vez, assemelhavam-se a transeuntes sem destino ou imóveis admiradores de astros que naquele céu não existiam.


Quando adentrou as imediações do rio, um barco, desgastado em sua proa pelo tempo e pela fricção das corredeiras, o aguardava junto a um barqueiro que, de pé, imponente, desafiava a movimentação das ondas.


Morto estando, Augusto sabia quem ele era. 


- Não fique com medo, camarada! Venha, suba!, disse Caronte.


Já no interior da embarcação, lhe foi solicitado o pagamento da viagem. Despreparado, pois consigo possuía apenas o que tinha no momento da cessação de seu suspiro, mostrou um cartão de crédito ao barqueiro.


- As tradições fúnebres também se modernizam, caro viajante. Ninguém mais usa moeda e tenho que receber meu pagamento. Por isso, espero que você não esteja negativado! -respondeu Caronte, rindo roucamente, ao expor uma máquina de crédito -. Aliás, como esse ano a demanda por meu serviço aumentou mas a oferta segue a mesma, os preços subiram. 


“Justo”, pensou Augusto, achando peculiar a existência de tal regra mercadológica frente a essa travessia. Antes de quitar sua dívida, porém, precisava dirimir uma dúvida.


- Por que está usando essa máscara? Estética?


- Não, só não quero pegar essa doença que vocês estão tendo. Menos um incômodo.
- Mas o senhor não é imortal?


- No meu caso, eu sou e não sou. Fiz, na verdade, um acerto com Átropos: enquanto tiver trabalho, ela não corta meu fio. Nesse interim, já se vão milênios sem interromper meu ofício. Mas e você, onde está sua máscara? Ou é desses que falam que a doença não existe e insiste em aparecer, aqui, curiosamente vitimado pelo “nada” para logo depois se arrepender?


- Morri com um tiro enquanto dirigia a caminho do trabalho, por isso não a usava. Bala perdida, creio eu, disse Augusto ao indicar o furo no peito, onde o sangue seco era imperceptível em decorrência da cor azul petróleo da camisa que usava.


Caronte apenas esboçou um sonoro “hummm”, sem esclarecer se em acordo ou reprovação. Enquanto o barqueiro batalhava pelo controle da direção imposta ao leme, parecendo perdê-lo na mesma medida em que o controlava, Augusto percebeu que, no leito do rio, os vultos o observavam: haviam encontrado um astro. 


Um grito ecoou em meio ao silêncio, chamando sua atenção. Ao buscar a fonte do som, observou que as águas também eram habitadas por eles. Nadavam, com toda força, mesmo que inutilmente, contra as ondas.


- Por que eles estão nas águas?, perguntou a Caronte.


- Pois são arrependidos, não livres de suas consciências, que interromperam suas viagens e buscam chegar à margem para aguardar o aparecimento daqueles próximos a eles ou, até mesmo, compreender a situação em que se encontram. Mesmo o Aqueronte levando ao nada real, onde o indivíduo deve se despir de seus medos e desejos, a visão de conquistá-lo abraçado à solidão espanta. Demoram anos até vencer a correnteza e chegar em terra firme. Alguns sequer chegam a ela. Estranho; mesmo mortos, o passado ainda os assombra.


- Ou o futuro.


- Qual futuro? Uma eternidade que lhe trará ao mesmo lugar ou a candidez de enfrentar o nada acompanhado para tentar torna-lo palatável?


- Antes de solicitar minha entrada, poderia ter avisado sobre a possibilidade de declinar sua proposta e ficar em terra até o momento adequado, para mim, da travessia.


- Esse buraco no seu peito é fruto do aviso? – questionou mordazmente o barqueiro -, Não impus sua entrada, senão embarcou porque quis. Neste momento, Cronos não age e, portanto, a decadência física não terá efeitos. Deste modo, a sua escolha ainda não foi tolhida. Qual será ela?

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook