27.png

Márcio Bororo
Pertence à etnia Boe Bororo, é músico, cantor e compositor. Atualmente é Presidente da Academia dos Saberes Indígenas. 

VELHO SÃO LOURENÇO

Quando vem o romper da aurora no encanto lindo que é meu lugar. 
Viajo em meus pensamentos ouvindo os pássaros a cantar. 
Vendo o velho São Lourenço lutando para não se acabar, 
Em um último suspiro com a lufada vinda do Pantanal. 
Bugio ronca no meio da mata, tentando nos alertar. 
Que a mata é a sua casa, por isso temos que lhe respeitar. 
Vizinho índio pega a canoa, 
Saindo para pescar, 
Lembrando os tempos de outrora, que nunca mais irão voltar. 
Lindos dias dos antepassados, 
Que na prenuncia do tempo estão guardados. 
Que sair para pescar, era como ir em um mercado
Mas com o respeito à natureza, o peixe era pago. 
E o rio tal qual o filho índio, era preservado. 
Com os olhos rasos d’água de ver minha nação quase destruída 
Eu sofro um pouco e mais ainda, vendo a natureza sendo agredida. 
Essa sede de progresso tem que ser repensada e sofrer um retrocesso. 
Não matemos quem nos dá a vida, em nome da consciência eu peço. 
Lindos dias dos antepassados que na prenuncia do tempo, estão guardados.
Que sair para pescar era como ir em um mercado, 
Mas com respeito a natureza o peixe era pago. 
E o rio tal qual o filho do índio, era preservado. 
Com os olhos rasos d’água, de ver minha nação quase destruída. 
Eu sofro mais um pouco ainda, vendo a natureza sendo agredida. 
Essa sede de progresso tem que ser repensada e sofrer um retrocesso. 
Não matemos quem nos dá a vida, em nome da concorrência eu peço.

 

 

 

 

 

 


BRASIL 500 ANOS 

Eu vi o dia nascer belo com o sol ardente, 
A chuva molhar a terra, 
Trazendo uma nova vida na semente. 
Eu vi a mata acordando com o cantar da passarada, 
Percebi o rio dormir, à meia-noite, de uma noite enluarada. 
Vi o massacre de um povo ao romper da madrugada, 
Que fugiu por todos os cantos, amedrontados em disparada. 
Vi os poucos que restaram com as almas destroçadas, 
Chorando aqueles que se foram, olhando a aldeia incendiada. 
Ouvi o choro da criança sem os pais, desamparada, 
Que morreram atordoados sem saber o que passava. 
Ouvi o pranto da mãe natureza, por sua filha a nossa mata idolatrada. 
Que não suportou as labaredas da queimada, 
E agora virou cinzas,
E não é mais a nossa casa. 
Então, o índio chorou e entristeceu, 
Mas sorrindo espera a ajuda de Deus. 
Que é todo poderoso, muito justo e soberano. 
Que cuida de nossas vidas, 
E faz com que eu sobreviva no “Brasil 500 anos”.