31.png

Lucinda Nogueira Persona 
É escritora, poeta, professora e membro da Academia Mato-grossense de Letras. Nasceu em Arapongas, PR, e vive em Cuiabá, MT. Estreou na poesia em 1995 com o livro Por imenso gosto. Publicou, entre outros: Ser cotidiano (1998), Sopa escaldante (2001), Leito de Acaso (2004), Tempo comum (2009), Entre uma noite e outra (2014) e O passo do instante (2019).

LEVEMENTE IRREAL

Os fantasmas de nossos dias mergulham seus gestos
na mais rotineira das realidades, sequiosos de vida.
De vez em quando, na confusão infinita dos pormenores,
diviso a aproximação de um deles que sem tomar forma
emerge da obscuridade para a luz meridiana do meu assombro.
É sempre no instante em que pálidos sonhos
se misturam à vastidão noturna. O bairro enluarado.
A cidade inteira quieta. O vento, em um só rumo,
emborcando as palmeiras e se jogando contra as janelas fechadas.
O que é que se aninha em cada osso deste prédio?
(torre onde aranhas e poeira se empoleiram).
Há certas noites em que o silêncio se quebra.
Particulares rumores no andar de cima:
uma cadeira é arrastada (arranhando os tímpanos da noite),
a seguir o som tênue e repetido de passos que vão e vêm,
como de alguém pondo coisas em ordem, fora de hora.
Súbito, outro som, breve e seco, talvez um livro caído no piso.
Há anos, esses ruídos acontecem. E há anos que o andar de cima está vazio.
De fato, certos fantasmas brotam de onde não está a vida.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook