7.png

Lucinda Nogueira Persona 
É escritora, poeta, professora e membro da Academia Mato-grossense de Letras. Nasceu em Arapongas, PR, e vive em Cuiabá, MT. Estreou na poesia em 1995 com o livro Por imenso gosto. Publicou, entre outros: Ser cotidiano (1998), Sopa escaldante (2001), Leito de Acaso (2004), Tempo comum (2009), Entre uma noite e outra (2014) e O passo do instante (2019).

FLAGELO

Desatado – o flagelo avança
cada vez mais voraz
através do tempo e dos continentes
Imagens aportam de todos os lados
Há mais pombos do que pessoas
nas ruas de Madrid – diz a repórter
mostrando ao público mundial esse fato
E muito mais se vê por toda parte
enquanto a morte prossegue
Também na praça de São Marcos
(contra o sol brilhando em momento aziago)
há negros pombos em revoada
afiando garras e bicos.

 

 

COISA DE NÃO SE CRER

Não sou desses
que andam a esmo
Sei
quando me encontro
no caminho certo
para me alcançar
e
coisa de não se crer
paro a poucos passos
de mim mesmo
Não sei me aproximo
ou viro as costas e fujo.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook