Cópia-de-48.jpg
Lubi Prates.jpg

Lubi Prates (1986, São Paulo / SP / Brasil) 
É poeta, tradutora, editora e curadora de Literatura. Tem quatro livros publicados (coração na boca, 2012; triz, 2016; um corpo negro, 2018; até aqui, 2021). “um corpo negro” foi contemplado pelo PROAC com bolsa de criação e publicação de poesia e, além de ter sido finalista do 4º Prêmio Rio de Literatura e do 61º Prêmio Jabuti, também foi traduzido e publicado na Argentina, Colômbia, Croácia, Estados Unidos e França; as traduções para Espanha, França, Itália e Suíça estão no prelo. Tem diversas publicações em antologias e revistas nacionais e internacionais. Co-organizou os festivais literários para visibilidade de poetas, [eu sou poeta] (São Paulo, 2016) e Otro modo de ser (Barcelona, 2018) e também participou de outros festivais literários no Brasil, em outros países da América Latina e da Europa. É sócia-fundadora e editora da nosotros, editorial e da nossa editora e é editora da revista literária Parênteses. Traduziu Poesia Completa, da Maya Angelou, e Zami: uma biomitografia, da Audre Lorde. Dedica-se a ações que combatem a invisibilidade de negros e mulheres. Atualmente, é doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento Humano, na Universidade de São Paulo.

ser mulher é uma bênção

ser mulher é poder gerar & poder parir

ser mulher é ter buceta, dois seios, uma bunda grande

 

ser mulher é

ser loira, olhos claros, nunca descabelar-se

é ter sangue escorrendo entre as pernas & não deixar que percebam mesmo que

 

você corra

você nade

você dance

 

ser mulher é uma bênção

e desde a Bíblia é ser apedrejada queimada morta

uma contradição

 

eu descobri agora que

não sou mulher

 

estou viva

nunca queimada

nunca apedrejada

 

eu descobri agora que

não sou mulher

 

sou negra, sou apenas uma negra

 

e o sangue que vem do meu ventre

permito que seja rio

que volte pra terra e

 

corro

nado

danço

 

descabelo-me

 

eu descobri agora que

não sou mulher

 

eu tenho pinto

apenas um seio

quadril estreito

 

nunca pari

 

eu descobri agora que

não sou mulher

 

ser mulher é uma bênção.