31.png

Lorenzo Falcão

“Nasci inexplicavelmente para ser poeta”, reconhece Lorenzo Falcão na breve biografia que acompanha “mundo cerrado” (assim mesmo sem maiúsculas por opção do autor). “O cerrado é meu lar e a poesia, o meu mundão sem porteira”, conclui o jornalista, que nasceu em Niterói (RJ), mas cresceu em Mato Grosso, “entre barrancos, pedras e sombras”, e trabalha há muitos anos como jornalista na área de cultura. 

CORPORIS

adoro a minha casa
mas a ancestralidade
reside no meu corpo.

aquele mesmo
que venho surrando
há mais de sessenta anos.

meu corpo não é santo
é torto e gauche
cabeça tronco e membros.

testa de rampa
olhos estatelados
magro e barrigudinho.

meu corpo 
pensando bem
deitado é mais ou menos.

em pé é preguiça lascada
(morri?) ou é só vontade
de não fazer nada