8-1.jpg
lorenzo-facao.jpg

Lorenzo Falcão
Lorenzo Falcão nasceu em Niterói (RJ), mas virou cuiabano. É jornalista com experiências em artes, notadamente, a literatura. Lançou “Motel Sorriso” (contos - 2002), “dIFERENTE” (poesia - 2005), “mundo cerrado” (poesia - 2011), “Duplex...”, parceria com Fátima Sonoda - in memoriam (contos - 2018), “distribuidora falcão” (poesia - 2018) e “abobrinha” (poesia - 2021). Desde 2010 tá na internet com o site tyrannusmelancholicus.com.br

POETAS

quando eu crescer desta
pra próxima encarnação
quero escrever(sos)
que nem nicolas behr.

não quererei mais
bandeira e drummond
quintana e leminski 
... talvez só oswald.

e pode ser também
que peça uma ajudazinha
pra ronaldo de castro.

sabe como é:
encontro marcado
com rimbaud, chopin, van gogh
e são francisco de assis;
não é porre que acontece todo dia

 

 

 

 

 


OUÇO DIZER

definir com palavras
o instante já da emoção
que nos rega a vida
é coisa que não floresce 
a cada primavera.

esse diálogo,
essa transparência que transcende,
eu ouço dizer
que é o dever de casa
dos poetas.

essas pessoas estranhas
que parecem não ter o que fazer.
estrelas cadentes
do céu da boquiaberta
humanidade.

o poeta 
é o bicho papão da razão.