9.png

João Bosquo Cartola

poeta, jornalista e licenciado em Letras/UFMT - publicou o livro Abaixo-Assinado (1977), em parceria com L. E. Fachin; Sinais Antigos (1981), Outros Poemas (1984), Sonho de Menino é Piraputanga no Anzol (2006), Imitações de Soneto (2015) e Seleta Cuiabana (2019); participou das antologias Abertura (1976), Panorama da Atual Poesia Cuiabana (1986), A Nova Poesia de Mato Grosso (1986) e Primeira Antologia dos Poetas Livres nas Praças Cuiabanas (2005); com Abdiel ‘Bidi’ Pinheiro Duarte editou o alternativo NAMARRA (1984/86) e coordenou o projeto POETAS VIVOS (1987/88), da Casa da Cultura de Cuiabá.

O TEMPO NÃO PARA

Logo depois de despertar
Abrir os olhos, ver o mundo
Com a cabeça fresquinha
Bate uma vontade de escrever

As escrituras, dessa hora
Sai aos borbotões
Uma frase atrás da outra
Até a tosse, tosse, tosse
De um antigo cigarro
Faz-nos refletir
Que não somos perenes…

– E o dia continua a correr.

 

 

PRIMEIRO DE JANEIRO

 

Anteriormente, anos atrás
Todo primeiro de janeiro
Provocava um novo poema
Agora nem tanto

A juventude via o ano novo
Com alegria, sem fastio
Com uma certa ansiedade
Um certo querer em consertar o mundo

O mundo, de lá pra cá, continuou o mesmo
Mas com mais gentes e superpopulações de famintos

Com o passar do tempo acabei por descobrir
Que não posso mudar muita coisa
– Quase nada –
Apenas, com muito esforço, o meu interior
E as sequências das palavras no poema.