Jéssica Angelin 
É poeta, mãe, doula, fotografa e produtora cultural. Atua no Sarau das Mina e no Coletivo Cultura Viva. Aborda temas sobre maternidade, empoderamento feminino e culturas indígenas em suas intervenções.

O ENCONTRO DAS ÁGUAS EM MIM

Um novo ciclo, metade de uma década 
eu enlouqueci tantas vezes 
que agora virou meu estado natural
quando eu pari,
meu pequeno riacho virou mar
o encontro das aguas dentro de mim
a vida, bem-vinda ao mundo
a morte dos meus pedaços
quando eu pari a água levou
meus eus, sigo numa constante ressignificação 
dos pedaços da minha carne que encontro no caminho
aquela água que
limpa, lava, cristalina
também faz inundar, tsunami no coração
transborda pelos olhos
furacão que treme o corpo
Faz cinco anos que bati num iceberg
mal pensei que era só a ponta 
mergulho nesse mar, 
para conhecer sua profundidade
sinto também sua elevação
quando aquecida pelo sol.
uma viagem baseada em pequenos e grandes surtos
um mergulho no fundo do meu oceano interior
uma mistura de amor e desespero
parir é entrar num buraco negro
abrir uma caixa de pandora
nunca se sabe o que vai sair de lá.

ESSÊNCIA

Se ame a cada curva, traço, risco
cada estrada, cada parada
parágrafo, cada estrofe
cada sílaba,
e a cada trilha sonora,

Você é Poesia cíclica , 
regida pela Lua
Seu sangue faz florescer novos ciclos,
novos olhares,
Você é não só uma poesia,
mas fragmento de todas as poesias do mundo,
você é o sentimento mais sincero de liberdade
o sonho das suas avós
as memórias das suas bisavós
você é o grito selvagem que atravessa 
gerações
nações
séculos
milênios

Você possui não só o portal da vida
mas possui o dom de gerar 
novas ideias 
e sentimentos pelo mundo
você é o fruto da maçã
da cobra, 
da árvore,
e do reino
você é feita do avesso
do que não se deve dizer
você é feita do que não se faz
é o azedo
e o mel da vida
é a flor e o espinho
é a curva
o traço a estrada
a história
a própria essência da vida e da morte. 

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook