__LA PECORINA.jpg
irineu-jaeger.jpg

Ireneu Bruno Jaeger
Ocupa a cadeira nº 1 de Academia Sinopense de Ciências e Letras. É um dos fundadores da mesma. É professor aposentado da Universidade do Estado de MT. Publicou  poesias,  crônicas literárias e um romance. Recebeu Moção de Aplauso da Câmara de Vereadores e da reitoria pelo histórico da UNEMAT do Estado e do Campus de Sinop. Ao todo publicou 14 obras. É catarinense de nascimento e mato-grossense de coração desde 1977.

COELHO

A capela precisava ser concluída. Programou-se uma grande festança, com direito à pescaria, leilões e muita cuca com linguiça.  
Feitas novenas e tríduos, foi aconselhado de todos virem, no dia, com o bolso recheado de dinheiro. Apareceram inúmeras doações: um porquinho, cabrito, burro e um coelho. É deste que vamos propriamente tratar. 
Um leiloeiro famoso solicitou ao Andrada que segurasse o coelho (não era nenhum mini e sim um cabeça de leão grandalhão) e o mostrasse enquanto ele cantava o leilão: Quem dá mais...? 
O Andrada, meio contrariado, deixou a querida namorada sentada à mesa, enquanto ele pegava o quadrúpede à moda de criança. Iria dar sua contribuição para o divino desta forma, ainda mais que estava com pouco dinheiro. Ele deveria dar o lance inicial de duzentos para o leiloeiro entrar em cena. Foi incrível a aceitação na hora da primeira rodada: 300... 400... Quem dá mais? 500 e  ... dou-lhe uma, duas, três... o coelho é seu. O ricaço pagou, mas devolveu o bicho para o Andrada.      
--Façam outro leilão, afinal é para a igreja. Feita a segunda rodada, começou com 200 e foi até 400... Gente o negócio pegou fogo... Todo mudo torcendo... Terceira rodada... até a sexta rodada. 
E o Andrada cansado de segurar o animal que já lhe manchara a roupa toda.  
Então o leiloeiro entoou a sétima rodada, que seria a derradeira;  
– Andrada, você começa alto que desta vez vamos a mil. Andrada começou:  
– Dou-lhe 300... Quem dá mais? E ninguém falou nada... Silêncio inquietante... 
O leiloeiro então melancolicamente encerrou:  
– Dou-lhe uma, duas... e  três... o bichinho é seu, Andrada! Parabéns! 
Nosso amigo quase desmaiou. Só tinha 250 no bolso. 
Foi até a namorada, mostrou a conquista queridinha e pediu: 
– Você não pode emprestar 50 reais para eu pagar a oferta, afinal quem empresta a Deus, recebe em dobro.