26.jpg

Olga Maria Castrillon-Mendes 

É professora e pesquisadora da literatura brasileira. Autora de Taunay viajante: construção imagética de Mato Grosso (Cuiabá: EdUFMT; Cáceres: EdUNEMAT, 2013); Discurso de constituição da fronteira de Mato Grosso www.unemat.br/editora, 2017 e Matogrossismo: questionamentos em percursos identitários (Carlini & Caniato, 2020).

IMAGEM E CONSTRUÇÃO IDENTITÁRIA

Por que a imagem de determinada cartografia cultural se torna tão fecunda e permanente? As narrativas da tradição literária da viagem inventaram espaços pelos movimentos humanos. Circulando por entre terras e mares, viajantes exploraram, ocuparam, delimitaram as fronteiras, construíram mapas e relatos, muitos dos quais deram origem a textos de ficção. Em Mato Grosso, esses textos imprimiram projetos de época em que a ideia de “sertão” era necessária para caracterizar um espaço desconhecido do próprio brasileiro. Como projeto político, era bom que assim fosse. Dividir o Brasil em duas fatias litoral/interior foi atitude facilitadora da interiorização. 


Esse mundo centrou-se nas utopias. Sair/conquistar/regressar, ou permanecer em grandes porções de terra, fortalecendo o processo colonial. As migrações, a partir da segunda metade do século XX, fizeram contornos diferenciados com base na agricultura e no agro negócio extensivo. Não mais relatos centralizadores, mas cultura múltipla com forte acento na oralidade, portanto, sincrética. Geraram marcas localizadas, permanentes ou sazonais. Por um lado, fruto do projeto romântico, de fundo profético-didático, das primeiras décadas do século XX; por outro, decorrente de valores espirituais e memorialista que transferiram legados que traduzem – muitas vezes, traindo – a cultura. 


Seguindo chamados para o distante e desconhecido, os descobridores eram motivados por canções acalentadoras da ideia de enriquecimento, aquisição de terras, de fama, ou de títulos de nobreza. Adentrar a barbárie de um mundo distante e estranho, em detrimento da civilização deixada para trás, construiu o imaginário propício ao projeto de ocupação. Ignorar a tese da grandiosidade (e superioridade) dos trópicos, registrada por Humboldt, foi uma decisão política que configurou os mapas como hoje são conhecidos. Por esse imaginário encantador, no século XVIII, Mato Grosso foi inventado, tornando-se, assim, plural e diverso.      


Que cultura é essa que cultiva (ou apaga) as manifestações de um povo? No incômodo lugar de observadores sociais, tanto os viajantes de ontem, como os de hoje constroem novos olhares, desnudam os preconceitos, dando ou retirando a voz das personagens historicamente caladas. São espaços para reflexão que nos mantém ligados às dúvidas da travessia, refazendo o viver e soltando a voz nas estradas.