© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

Icleia Rodrigues de Lima

É graduada em Letras pela UFGO (1968), Mestra em Filosofia da Educação, pela FGV-RJ (1981) e Doutora em Educação, pela USP-FEUSP (1992). Foi professora do Curso de Graduação em Letras da UFMT, nos Programas de Mestrado em Educação da UFMT e da UEL-Londrina-PR, e também no Programa de Mestrado em Estudos de Cultura Contemporânea (ECCO-IL-UFMT).

RETRATO

Nem sempre me pareço
 com meu retrato
apesar e além do meu baton
e do que diga a minha boca
ou grite o meu silêncio.

GUIA

O menino passa na rua do arraial 
A mão direita empurra a bicicleta
a esquerda puxa um cavalo .

Então sigo com eles meditante 
Cavalo, troto atrás 
do que, generoso, dá grama e açúcar.
Criador de cavalos, sigo à frente
do que, leal, quadrupeda e trota
Ciclista, empurro do meu lado
a  que, muda, bicicleta e roda.

Vezes há que a corda é rédea .
Outras há que o laço é afeto  

Nos cruzamentos do mundo
 puxa ou guia um guidão...
 

TROVOADA

A sombra chegou
E  só cobriu do mundo a metade

O dia não soube ir-se embora inteiro:
Deixou restos de tinta vermelha
E vestígios de purpurina no céu.

A nuvem  não ajudou
Pois não molhou toda a cidade.
Trovejou, trovejou,
fez uma enxurrada
e foi chover no molhado do rio.

Só precipitação!...
 

CAPIM

Minha alma foi nascida como capim
num terreno baldio 
de lugarejo sossegado assim.

Os talos cresceram 
feito cana de cano fino
mas cheirando garapa grossa, assim.

A vida ensinou a ser feito capim
a não ficar, nem parar
mas apendoar com pendão assim

depois voar na flor de capim
com o vento levando
para outra plantação assim...