pixé_32.jpg

Gabriel Francisco de Mattos 
Continua sendo arquiteto, professor universitário, Mestre em Educação e Doutor em Estudos de Cultura Contemporânea. Quer ser mais alguma coisa ainda, vai tentando por aí.

O COLÓQUIO EM BOGOTÁ

E aqui estamos nós neste shopping center em Bogotá. Espero, na mesa da praça de alimentação, em frente a um sandwich feito por uma internacional franquia de fast-food, a volta de Laora. Ah, a bela Laora, que hoje falou sobre a influência de George Sand na literatura feminina latino-americana dos anos de chumbo (tchumbo, diria ela).


Nem lembro sobre o que vou falar (nem quando), vejo na hora de abrir o powerpoint em frente à platéia. Aliás, nem queria vir para cá.


Meu pai me deu a viagem de presente. Eu precisava (segundo ele) espairecer um pouco, afinal fui eu que mais acompanhei minha mãe até ela ficar “desligada” (internada, incapacitada, interditada).


- É, vai nesse colóquio na Colômbia, espairece um pouco.


Colóquio não, Simpósio!


Mas acabou que está sendo bom. Cheguei num impasse profissional. Acho que é a idade. Afinal não tenho mais gana para estudar. É um limite. Doutor em Literatura Contemporânea. Ou nem tanto, afinal, afora a Tese, sobre os movimentos literários estaduais, meu arcabouço é feito de todos os livros de ficção de Érico Veríssimo, de Graciliano Ramos e do Ciclo da Cana de Açúcar do José Lins. E eu não sou gaúcho nem nordestino!


Tentei ir além, juro. Comecei os romances de Lucio Cardoso, bolei, para a tese, uma comparação entre Três Escritores Comerciais Brasileiros (baita nome!). Foi uma idéia legal: partir do Malba Tahan nos anos cinquenta, passar pelo enigmático José Mauro de Vasconcelos nos anos sessenta e fechar com Paulo Coelho a partir dos anos de chumbo. Mas não aguentei a pressão de ler a quantidade de livros de cada um, porque isso eu precisava fazer; e bloqueei justamente no Paulo Coelho. Tá legal, estava adorando a fase mística do José Mauro, o mais sincero dos três.


Mas aí praticamente fui convidado para o doutorado aqui mesmo (não em Bogotá, em casa! Casa?), com uma pesquisa já encaminhada do departamento sobre as revistas literárias regionais. Pelo menos podia ser como aquela pesquisa do professor maluco do departamento de Arquitetura sobre histórias em quadrinhos locais, mais o processo de resgate de uma história subterrânea!


E depois da titulação, desânimo. Meus autores comerciais relevados ao esquecimento, releituras dos nordestinos. Convite do papai para bancar a viagem a este colóquio.


Colóquio não, Encontro!


E Laora que não volta, me deixa aqui na Plaza de Alimentación (não deve ser isso), neste centro de compras, nesta cidade militarizada porque a guerrilha está negociando com o governo. Acho que Laora só saiu comigo porque eu chamei George Sand de sapatão e defendi o Chopin; e ela pode ter fingido que gostou da minha teoria de submissão dele em relação a ela. Na verdade, eu me escondi no Chopin porque não conheço nada da ilustre sapatona, aliás nem leio francês. E estou ainda bem por fora das palavras que estão na moda nos estudos de gênero, que é por aí que Laora está indo.


E meu pai estava certo, preciso espairecer. Afinal, fui eu que fiquei em casa acompanhando minha mãe nos seus últimos estágios de lucidez. A Elisa minha irmã estava enfrentando os preparatórios para a magistratura; meu irmão às voltas com os rolos dele com a esposa e a(s) amante(s), além da fazenda; a-de-perto, que a-de-longe meu pai se enfiava lá até ser convocado para voltar.


Agora, com mamãe interditada, Elisa minha irmã disse que nós três precisamos nos preparar: papai solto vai entrar na gandaia. Ela quer ficar com uns investimentos, dinheiro mesmo. Pro meu irmão vai ficar a fazenda-de-perto, que ele já está tocando...

 

Tocando, virgula! enrolando. O desgraçado tentou plantar maconha lá, e avisou para os amigos íntimos, que tinham amigos íntimos, que por sua vez... O assunto foi parar na Loja Maçônica, e um tio distante veio conversar com ele, que aquilo não era assim, que aquilo era fria. Se você não tivesse os contatos certos... E que então era melhor parar. Parar. Mesmo. Sem segunda chance.


E ele só está esperando a fazenda-de-perto ir pro nome dele, que ele já tem comprador. O problema é que o comprador é relacionado com a família da esposa, gente graúda do sul. E eu quase morri de rir:


- Está difícil, meu. - meu irmão todo sério - Eu não posso nem ir atrás daquelas que dão bola. E como dão bola! A Maria Joana está marcando sobre pressão, e a mãe dela nem se fala. Tenho que ficar trancado lá na fazenda. Deee vez em quaaando um amigo me manda uma profissional lá pro mato.


    É assim que ele chama a fazenda-de-perto: O Mato.


    Eu devo ficar com umas casas velhas no centro, aluguel barato, inquilino pobre, essas coisas.


    Mas eu acho que a Laora está aqui por causa das guerrilhas, ela já falou que é simpatizante. E de repente eu fujo com ela para las cordilleras.


    Por enquanto é aproveitar o Colóquio, prometi pro meu pai.


    Colóquio não, Seminário!


    E bebo meu soft-drink enquanto minha libertária não vem. E espero que ela me coloque em contato com as guerrilhas, para que eu possa descer e tomar primeiro a fazenda-de-longe, onde meu pai se esconde com as profissionais, depois a-de-perto, onde meu irmão se esconde com outras profissionais, depois a gente vai para a guerrilha urbana, onde Elisa minha irmã está num juizado especial...


    E então eu volto para a estante onde estavam as obras completas do José Mauro de Vasconcelos, os livros amarrotados do Érico Veríssimo, e deixo Laora e meus colegas brigando por gênero (ou sexo, não entendo!), até fazermos um acordo com o governo, ou tomarmos o governo...


    A lua de Bogotá é a mesma do cerrado, eu continuo sem saber francês, não gosto de autores novos (mais novos que eu), não sou poeta, não bebo, não sei andar pelas cidades perdidas onde guerrilheiros, professores, juízes, fazendeiros, estudantes passeiam com seus sonhos e medos...

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook