10.png

Flavio Gatti 
É professor, pesquisador e amante das questões fronteiriças entre Mato Grosso e Bolívia. Teve seu primeiro contato com a temática em 2004, quando começaram suas pesquisas. Autor do livro Fronteira Chiquitana (2017). Atualmente professor da Unifesspa. Entusiasta dos animais e alguém que ainda acredita no “Ser Humano”.

EXPERIÊNCIAS CHIQUITANAS

Fecho os olhos e remeto-me ao vivido e ao imaginário...


Caminho que leva a Chiquitania, geralmente terreno plano, com pequenas elevações ou colinas, sendo problemáticas as épocas das chuvas, quando enchem as planícies, dificultando a marcha de pessoas e animais. Riachos que às vezes durante a noite, ficam tão grandes que se é necessário esperar alguns dias até que baixem e se possa atravessar. No tempo seco, de maio a outubro é mais fácil viajar, especialmente se você puder seguir o curso, mais ou menos perto, de algum rio ou riacho e encontrar áreas de pastagem para animais de carga ou de sela.


Chegando, podemos notar que no aspecto missional, as “nações chiquitas” que constituíam a base sociocultural do grande projeto reducional jesuítico, por motivos que iam desde os mais práticos ligados aos bens materiais até os mais espirituais ligados à assimilação da mensagem do cristianismo.


A arquitetura permanece como elemento de identidade e referência para o patrimônio missionário. Para o conjunto de símbolos, ritos e mitos que juntos com a ideia de espaço compõem o substrato do imaginário nas edificações intelectuais. Entramos no campo da construção da alteridade, entendendo “alteridade” como o “efeito” ou resultado dos processos através dos quais uma cultura hegemônica foi relacionada com grupos subordinados, visualizando-os e (des)classificando-os com base em suas diferenças físicas, linguísticas, religiosas, etc.


Usam a selva para obter dela os materiais necessários para melhorar as moradias rudimentares dos Chiquitanos e dão origem à admirada arquitetura civil e religiosa nas missões de Chiquitos, além de fazer seus instrumentos.


Fizeram igrejas com abundância de elementos artísticos, forquilhas assustadoras - salomônicas, arcos esculpidos, anjos, santos padroeiros, pintura mural com motivos vegetalistas, retábulos esculpidos que brilham, devido ao ouro que é coberto e assim encontrem um clima de profusão artística.


A arte de transformar a natureza por meio da aplicação de técnicas e a experiência foram combinadas nas igrejas e cultura Chiquitanas. Os índios das reduções revelaram-se excelentes artistas em decoração de madeira, terracota e pedra, bem como valiosos artesãos na elaboração de objetos de barro, madeira e metal e na produção de tecidos de algodão e lã. Para a construção de instrumentos musicais com madeiras mais suaves, mas de grande durabilidade e beleza, como o cedro rosa. Antes que a matéria-prima chegue às oficinas, os índios serram as toras à mão para obter tábuas retas.


Melódicos e cadenciados, a expressão dos sentimentos mais intensos que os artistas conheceram representam nos rostos, na harmonia dos corpos e na elegância dos baixos-relevos ornamentais testemunham não apenas habilidade manual, mas também um alto grau de sensibilidade e personalidade.


Canto, música e dança, passatempos favoritos dos indígenas em momentos de descanso e férias, estando em perfeita harmonia com suas tradições alcançando um compromisso entre a antiga cultura aborígine e a nova contribuída pela Cristandade. 


As danças gradualmente se transformaram em pantomimas, danças figurativas e temas alegóricos com temáticas como a luta de São Miguel com o dragão, a guerra dos Espanhóis contra os Mouros, a visita dos Magos à manjedoura e outros temas inspiradores.


O urbanismo missionário foi carregado de símbolos a fim de contribuir para a evangelização dos indígenas. Nesse sentido, a praça das “reducciones chiquitanas” impõe uma nova consciência e novos esquemas na relação social. Edifícios que estão na praça sintetizam a vida: a igreja, as oficinas, a escola, o hospital, a prisão e o cemitério. Desta forma, a igreja e a praça como elementos fundamentais da vida urbana e a comunidade da vida em uma sociedade organizada e civilizada.