Fernanda Moura  
É formada em Filosofia pela Trent University no Canadá e especialista em Filosofia Clínica pelo Instituto Packter, Fernanda Moura é poeta e escritora. Tem poesias publicadas em inglês e em português em algumas coletâneas, entre elas: The best poems and poets of 2004 pela International Library of Poetry, Antologia de poemas Mosaico organizado por Beth Cury e Outono Literário pela editora Fafalag. Em 2020, com a editora Helvetia,  terá seu primeiro conto publicado na coletânea bilíngue  Faz de conto IV e seu livro de poesias Beijo de Línguas em edição trilíngue. Escreve na revista online Obvious e no blog Brasileiras pelo Mundo. 

VOZES PASSIVAS​​

Às 6 da manhã o despertador é tocado, o olho aberto, o banho tomado, a cama arrumada.
Às 8 da manhã a roupa é posta, o espelho admirado, o café bebido, o carro dirigido, o trabalho começado. 
Às 11 da manhã a mente é quadrada, a fome apertada, a saudade é sentida, a maquiagem escorrida.
Ao meio-dia o pão é comido, o e-mail lido, o amigo adicionado, a selfie tirada, o sorriso enquadrado.
Às 13 da tarde o sol é ardido, o suor escorrido, o pão amassado, o mendigo ignorado, a mão estendida.
Às 3 da tarde os músculos são trabalhados, a roupa da moda comprada, a fofoca repetida, a política discutida, a dieta mantida.
Às 6 da tarde o trânsito é parado, a camisa amassada, a música ouvida, a buzina apertada, a cabeça espremida.
Às 8 da noite a novela é gravada, a bebida servida, o cabelo arrumado, o scarpin colocado, a boca beijada, o corpo roçado.
Às 10 da noite o sapato é tirado, a novela vista, o remédio tomado, o dinheiro contado, o computador ligado, o status atualizado.
À meia-noite a luz é apagada, a cama desfeita, o corpo  estirado, o olho fechado, a vida é ativa, a voz passiva.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook