4-2.jpg
Felipe Eduardo Lázaro Braga.jpg

Felipe Eduardo Lázaro Braga
É doutorando em Sociologia (FFLCH-USP), graduando em Filosofia. Escreve sobre arte contemporânea, arte urbana e matemática. Trabalha com pesquisa de mercado e opinião

PRAÇA DA SÉ

Acabei me distraindo, e desci os primeiros degraus da entrada da estação. A entrada estava fechada. 
Entrada principal da Estação Sé é palacete subterrâneo de escadas que se desdobra até duas pontas inacessíveis da Praça: para quem vem da Liberdade, a entrada está fechada entre a Catedral e o Palácio da Justiça; para mim, que só conheço aquela entrada, a segunda fica – é o que diz a placa – inacessível atrás da primeira, em frente à escultura do Amilcar de Castro. Noite.   
Fechada também, com todas as minhas possibilidades esgotadas. Além de escura, a Praça é enorme, lugar em que beleza e arquitetura te convidam a sair logo dali. De modo que, se eu disser que havia uma Base Comunitário Móvel da Polícia Militar no meio da Praça da Sé, eu disse pouca coisa sem acrescentar que, entre a escultura do Amilcar de Castro, que é onde eu estava, e a escultura do Apóstolo Paulo, que é onde eles estavam, havia treze assaltos de distância. Noite, e as minhas entradas da Sé estavam todas fechadas. 
Fui até a Base Comunitária ter com os policiais, “com licença, não tô achando a entrada da estação”, mas meu fui parou no ia: ao meu redor, perto da escultura do Amilcar de Castro, centenas e milhares de pessoas –  não duas ou três, mas centenas e milhares de pessoas –, com dois braços, duas pernas, dois pulmões, um fígado, falando português debaixo da mesma noite, surgiram naquela Praça; tão de repente que, se alguém me perguntasse “como?”, eu diria que elas já estavam ali ontem; ou antes, escondidas nas frestas da Sé, a ponto de virarem Praça, desde que a Sé é mundo – fui eu que perguntei: 
Amigo, tudo bom? Não tô achando a entrada da estação. Você pode me ajudar? 
Opa patrão.
Quando eu chegar em casa, a primeira coisa que não vou fazer é lavar a louça. Entre lavar a louça e transar com o Francisco, prefiro que o Francisco lave a louça. A louça só fica urgente depois de quatro dias – hoje, o quinto, é arqueologia de todas as embalagens que foram minha semana, pois: de tudo que é urgente, a louça é o mais supérfluo; de tudo que é supérfluo, o Bruno é mais urgente. Daqui pra frente, Bruno, não prometo louça limpa, mas prometo o longo prazo: uso um prato, lavo dois; sujo um copo, lavo dois. Mais longo prazo se o Gabriel continuar sujando louça comigo, quando eu chego tarde da Sé (minha segunda semana de trabalho lá), e quero companhia.