© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

Everton Barbosa

Possui doutorado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014), mestrado em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal de Mato Grosso (2006) e graduação em Letras pela Universidade Federal de Mato Grosso (2002). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Estado de Mato Grosso. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura, atuando nos seguintes temas: estudo da narrativa latino-americana, estudos da fronteira latino-americana, regionalismo e identidade cultural, estudos sobre o narrador na literatura e na oralidade, literatura e relações de poder..

ANTÔNIO CASSIMIRO

Cassimiro apaga fogo no mato
só com reza e bendição
palavras líquidas
jorrando da boca do santo
porque só santo apaga fogo sem água. 

Cassimiro estanca jorro de sangue 
c’olho fechado e oração
palavras médicas
contendo a alma que insiste 
em sair de sua prisão. 

Cassimiro é santo
é virgem dedicado 
apaga fogo natural
e sangue provocado. 

Cassimiro é santo
anda com seu livrinho
de reza que corta sangue 
de reza que apaga fogo 
riscado no caminho. 

O povo diz crente
que em terra assim tão seca 
só santo é que apaga fogo 
e Deus que protege a gente. 

Porém pra fogo do corpo 
pra fogo que esquenta a alma 
nunca chame Cassimiro.


Pra sangue fervido no peito 
na caldeira do coração 
não existe rezação
nem todos os santos dão jeito 
é Deus sozinho que apaga. 

Santo é Cassimiro
Preto como a noite mais clara que um dia! 

Santo é Cassimiro
vestido de cassimira.