© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

Edson Flávio

É cacerense, doutor em Estudos Literários pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) onde, atualmente, é docente e pesquisador na área de Literatura. Amante da poesia, escreve desde quando ganhou seu primeiro concurso, ainda na escola. Pretende publicar seu primeiro livro em 2019.

SUICÍDIO

Eu não esqueci cada palavra.
Não deixei de acreditar em nada.

Você e sua fiel escudeira sempre sozinhos.
Agora, só o meu desencanto.

E ainda é muito para quem o silencio é uma armadura
vestida com bravura
mas que lhe faz perder a guerra.

Eu, vagando na noite fria do abandono.

Você, estragando, minuto após minuto, a minha poesia.

Não me deu a palavra certa.
Não me ofereceu a rima necessária.

Um dia acreditei que você era real.
Um sonho desleal que sonhei só.

Corri corrida vã.

Quero de volta o meu verso, o meu soneto.
Afaste-se com seu coração de gelo
Vou para longe do seu poço de vontades.

Não ouso amaldiçoar-lhe.
Não ouso tirar você de mim.

Num estampido o fim.