Editorial.png

Eduardo Mahon
Editor Geral

EDITORIAL

Para ler Luciene Carvalho não é preciso saber quem é Luciene Carvalho. Os adendos biográficos da autora podem dar uma falsa impressão de que ela está se tornando referência na literatura porque é uma mulher negra. Mas não é isso. E não será com essa régua que, no futuro, ela será medida. Luciene Carvalho se impõe porque é boa no que faz. Por quê? Porque ela não vive escondida nos nichos que dariam guarida para minorias, encerrada num círculo tão leniente quanto autorreferente. Ela teria todos os requisitos para preencher esses formulários da crítica literária contemporânea e ser rotulada como “literatura de resistência”, “literatura feminina”, “literatura negra”, “literatura periférica” e outras tantas caixinhas que os críticos criam para viver dentro. Luciene Carvalho é uma excelente escritora e ponto. 


Evidentemente que é possível traçar paralelos com Carolina de Jesus, por exemplo. Ou talvez com Conceição Evaristo, uma autora contemporânea. Uma outra leitura poderia conduzir a um paralelo com o naturalismo de Aluísio de Azevedo ou com o modernismo de Lobivar de Matos. Mas que paranoia é essa de se obrigar a buscar referências para ler uma determinada obra? Isso não passa de um cacoete da crítica acadêmica que se serve de referências para calçar o que deveria ser, antes de tudo, um ato sensorial, uma intuição primária, uma emotividade genuína. Pois é isso que transpira na obra de Luciene Carvalho – verdade. Não o esforço criativo que idealiza (o que não deve jamais ser tomado como demérito), mas a experiência autêntica dos dramas da mulher negra de meia-idade, com fortes raízes no sertão mato-grossense que reina em um quilombo contemporâneo onde prevalece o matriarcado.


Ler Luciene Carvalho é ter uma experiência com a verdade, um encontro de contas com o passado ancestral que, obviamente, é negro e é periférico. Ao longo desses 25 anos, a escritora não publicou panfletos políticos. Ela escreveu livros. Não se usou da própria biografia para alavancar sua imagem. Simplesmente escreveu e quis viver da literatura. É o que há de mais atraente na autora – ela rejeita a autocomiseração artística, a vitimização que oportuniza um discurso com público seleto, com aplausos garantidos, com cátedras universitárias prontas a rotular autores de forma leniente em razão de uma suposta solidariedade. A Revista Literária Pixé prova o mérito literária de Luciene Carvalho com seu texto rico em imagens cotidianas. Irônica, ácida, melancólica, irada e sensual: todas essas facetas estão presentes na seleção da curadora Maria Elizabete de Oliveira.


Ter a arte de Paulo Sayeg nesta edição é uma realização a mais. No reinado de Luciene Carvalho – sim, porque ela (re)cria a realeza africana em muitos momentos de sua obra – a evocação aos orixás não poderia ser mais adequada. Toda a força da nossa ancestralidade está presente na magia dos deuses negros. Enquanto caçam, dançam e abrem os nossos caminhos, reis e rainhas estão sentados em seus tronos. As festas celebram o espírito tribal, a intensa coesão social. Os cantos, as danças, essa lúdica catarse de Sayeg dialoga com os nossos terreiros onde o samba foi parido dos atabaques do candomblé e a oralidade era a única forma de expressão com a palavra. Sayeg é o nosso Pierre Verger da arte brasileira contemporânea.


Devemos fazer uma recomendação importante. Não deixem de ler a poesia de Luciene em voz alta. Porque não se trata de uma literatura intelectualizada, perdida nos jogos criptografados que os críticos se comprazem em decifrar. Os textos estão longe desse experimentalismo que paradoxalmente odeia o grande público. A poesia da nossa homenageada não encontra relação nessa arrogância intelectualóide que discrimina o popular. Nada de intimismo! Nada de esnobismo! Nada de silêncio! Luciene Carvalho é do povo e escreve para o povo. É por isso que a declamação completa a lógica da escrita. Ao ser declamado o poema incorpora alguma entidade de Sayeg que dança freneticamente na nossa mente. É para rir, chorar, pensar e se divertir. É para celebrar.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook