Coluna - Anna Maria.jpg

Anna Maria Ribeiro Costa

É doutora em História pela UFPE e Professora do Univag. Chegou às terras do povo indígena Nambiquara na Primavera de 1982. Dos índios recebeu o nome Alusu, por conta de seus hábitos alimentares. Nessas terras, conheceu José Eduardo, com quem tem dois filhos: Theo e Loyuá. Vem se dedicando aos estudos sobre os povos indígenas de Mato Grosso, com especial atenção ao Nambiquara.

DE QUEM É O FOGO?

Adalberto Holanda Pereira, um etnólogo cearense que conviveu muitos anos junto ao povo indígena Nambiquara, ouviu ao redor da fogueira que no tempo de antigamente, aquele que não se conta, homens e mulheres, ao saírem da grande montanha de pedra preta, passam a conviver com os animais, a conversar entre si, a disputar alimento. Os animais, há tempos a céu aberto, sabiam dos hábitos da natureza. 


Na aldeia, infalivelmente, Dikilisu, um tamanduá, bem cedinho, visitava seus amigos índios. A hora era sempre a mesma: quando as mulheres preparavam a massa para o beiju, uma espécie de pão à base de farinha de mandioca. Também, com seu poderoso olfato, era muito fácil chegar na hora certa. Outros animais visitavam a aldeia, mas esporadicamente. Nunca com a frequência do enorme mamífero. Como de hábito, todo alimento deve ser dividido entre todos, gentes e bichos.  


Até aí, tudo certo. O que começou a intrigar os moradores da aldeia foi o fato de o tamanduá-bandeira nunca comer beiju junto aos índios. Inventava desculpa qualquer para levar para sua casa. Desconfiados, seguiram Dikilisu. E, na aldeia dos tamanduás, todos se deliciavam com beiju assado. Como assavam os beijus?


No dia seguinte, na fartura de beijus crus, ansiosos aguardavam a chegada do tamanduá-bandeira que sempre chegava na hora certa. Diferentemente das outras visitas do mamífero, fartaram de beiju seu cesto-cargueiro. Prazenteiro, voltou a aldeia sem perceber que estava sendo seguido. 


Ao colocar o cesto-cargueiro no chão, cuidadosamente Dikilisu recebeu de sua mulher dois pauzinhos. Ao friccionar um no outro, mesmo de longe, os homens avistaram uma fumacinha que junto às folhas secas, ateou fogo para assar o alimento. De tanta porção de beijus assados, em torpor ficaram, hora fácil para os homens levarem o cobiçado fogo. 
Homens e animais geraram fogo.


Os homens descobriram que o fogo vive forte quando sobre ele carnes de animais assam e seu caldo escorre para alimentá-lo. Sem carne de caça para assar, o fogo é baixo, amuado e tem vida curta. 

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook