Ivna Chedier Maluly
É jornalista e escritora infantil. Mora na Europa desde 2003 e é autora dos livros Cadê seu peito, mamãe? Gabriel e a fraldinha, Maria Luiza e a Banheirinha e O samba faz 100 anos. 

MEU QUERIDO ASPIRADOR​

Elias adora uma festa. Barulho é com ele mesmo! Dia de faxina é dia de aspirador!
Mas, quando o aspirador é ligado, faz tanto barulho que Elias tampa as orelhas com as mãozinhas.
- Aiiiiiiiiiiiiiiii, grita. Mas, curiosamente, insiste em querer tentar tocar no aparelho. 
– Meu filho, não chega perto, pode ser perigoso, alerta a mãe.
Mas Elias persiste. E dá soquinhos e tapinhas no aspirador na tentativa de desligá-lo. 
Não consegue. Insatisfeito, põe-se a chorar de cabecinha baixa. 
A mãe desliga o aspirador, pega Elias no colo e explica que aquilo não é brinquedo de criança, e que serve somente para limpar a casa.
Elias ouve com atenção e depois faz um gesto com o corpinho como quem quer descer do colo. 
E lá vai ele em direção ao aspirador.
Ele tenta ligá-lo de qualquer maneira. E, desta vez, consegue! 
- Ehhhh, ehhhhhhhh, exclama.
Deu um tapa tão forte que apertou o botão certo. Porém o de carga máxima.
O barulho era ainda maior, ensurdecedor mesmo! Elias, assustado, começa a chorar e corre para perto da mãe!
A mãe, cansada, desiste de limpar a casa. Pega o bebê e lê para ele um livro com figuras coloridas. 
Elias gosta e logo está mais calmo! 
Mas será mesmo que Elias vai desistir do aspirador?

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook