© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

João Bosquo Cartola

Poeta, jornalista e licenciado em Letras/UFMT, mora e trabalha em Cuiabá. Como jornalista atuou nos jornais O Estado de Mato Grosso, A Gazeta (Cuiabá), em 2001 editou o semanário A Notícia (de Cáceres); presidente do Sindicato dos Jornalistas (1995-1998) e desde 2002 trabalha como assessor de imprensa, até janeiro de 2015, como repórter da Secom/MT, entre 2015 e 2017 volta à redação como repórter do *DC Ilustrado*, caderno de cultura do jornal Diário de Cuiabá, atualmente trabalha como freelancer. Morou em Curitiba, onde publicou o livro *Abaixo-Assinado* (1977) em parceria com L. E. Fachin. Em Cuiabá novamente, os livros *Sinais Antigos* (1981), *Outros Poemas* (1984), *Sonho de Menino é Piraputanga no Anzol* (2006) e *Imitações de Soneto* (2015). Participou das antologias *Abertura* (1976), *Panorama da Atual Poesia Cuiabana* (1986), *A Nova Poesia de Mato Grosso* (1986) e *Primeira Antologia dos Poetas Livres nas Praças Cuiabanas* (2005); com Abdiel ‘Bidi’ Pinheiro Duarte editou o alternativo *NAMARRA* (1984/86) e coordenou o projeto *POETAS VIVOS* (1987/88), da Casa da Cultura de Cuiabá.

MINHAS OFERTAS SÃO POSTAS DE PEIXE

Minhas ofertas estão postas na mesa
São palavras escritas sob o papel branco
Palavras que se colam a outras tantas
E não calam nas tintas da caneta imprecisa...

O poeta nunca se manifesta completo
Sempre pula um ou dois versos, sílabas
Até mesmo estrofes inteiras do poema
Quando se concretiza é final do dia-a-dia

No correr do dia há também o correr
Das correntes do rio que navegam no olhar
De um olhar de quem sonha sem piscar

Minhas ofertas, confesso, são postas
Pequenas postas de peixe frito
Retiradas do imenso Pantanal que sonho.