Edson Flávio

É cacerense, doutor em Estudos Literários pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) onde, atualmente, é docente e pesquisador na área de Literatura. Amante da poesia, escreve desde quando ganhou seu primeiro concurso, ainda na escola. Pretende publicar seu primeiro livro em 2019.

DE FAROFA UTILIZADA PARA ENRIQUECER DOCES,
NOSSA PIXÉ ENRIQUECEU A LITERATURA DE MATO GROSSO

Empreendida por Eduardo Mahon, advogado e escritor, a revista virtual que agora se prepara para primeira versão impressa em comemoração ao seu primeiro ano de existência, é um verdadeiro frisson entre os antigos e novos escritores do Estado e de outros lugares do Brasil. 


Agrupados, ou amalgamados como a farinha original que dá nome a revista, estes artistas são considerados a GERAÇÃO PIXÉ, clara alusão a um outro momento da literatura do estado chamada de Geração Coxipó. 


A PIXÉ hoje é marca registrada e conta com a participação de escritores e artistas visuais de todo país. A cada edição, a revista ganha mais colaboradores e leitores. Se expande e atinge popularidade através de ações que alcançam até aqueles que nunca leram a revista ao receberem postais, imãs de geladeira e bonés com a logomarca da revista. 


Mais que uma vitrine literária, a Revista PIXÉ é um grande instrumento aglutinador e difusor de literatura. Para muitos, como o meu caso, a primeira oportunidade de revelar-se. Um caminho que, antigamente, seria muito mais difícil.


Todo o aparato tecnológico que se tem favorece essa oportunidade, mas não é apenas isso. A maneira com que os textos são tratados, o zelo com que são distribuídos ao longo da revista que, conta a cada edição com um artista visual diferente, precisa aliar imagem e palavra. Duas artes distintas que, feitas ao seu modo e distantes, se unem nas páginas do computador, tablete e do próprio celular criando, a cada mês, uma revista que se reinventa, se faz novidade pulsante da literatura.


Estão ali, em diálogo, compondo cada mês um painel multifacetado, mas também único de arte brasileira contemporânea. A PIXÉ não é só de Mato Grosso. É uma revista que surge com uma necessidade nossa, mas que integra todo um ressoar literário, de todos os cantos e em todos os cantos. Marca uma história, um novo tempo e ganha cada vez mais espaço, não só virtual, mas real como no primeiro Prêmio PIXÉ de Literatura.


Há muito que ser feito, há muita gente que precisa conhecê-la. Tenho plena convicção que 2019 fica marcado na literatura de Mato Grosso como um ano de intensa profusão literária, e a Revista PIXÉ tem uma grande parcela de contribuição, incentivando e dando visibilidade a todos, sem distinção.


Parabéns e Vida longa à PIXÉ!
 

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook