© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

Mário Cezar Silva Leite 

Aproximo-me dos 58 anos, muito perto mesmo, e é como o Nano disse para a Ritaca: o tempo não passa, o tempo fica. Por isso envelhecemos! Porque o tempo fica em nós. Então, 58 tempos residem em mim. Nesses tempos inventei muita coisa, criei outras muitas e assim fiz o seguinte: sou professor universitário; pesquisador/crítico de literatura e culturas contemporâneas; gosto de pensar também questões de identidades; por fim, vou tentando instituir-me como escritor. Mas nada muito sério. De resto, tudo tá valendo!

ESTILHAÇOS DE TODAS AS (DES)ORDENS: RECUERDOS DE MI ABUELA
(trecho do conto, livro Recuerdos de Mi Abuela & Outros Estilhaços em charla*)

(Para ler ouvindo Love is a losing game, Amy Winehouse) 

Os meninos florescem nos pontos de ônibus das ruas da cidade. E ficam assim meio que de entulho nas calçadas. Mas não é apenas erguer a mão e apanhá-los. Não. Pena que não, pena que sim. E mesmo que eu fosse só e apenas desejo, minhas mãos não os alcançariam. Vinte Ritaca! Vinte não, vinte e três pessoas. Entre elas a Reina e um garoto de dezesseis anos. Meu Deus, Nano. Foi. Triste, pela segunda vez a vida, o destino, a sorte ou, sei lá, o azar roubava-me tudo. Roubava-me a minha própria vida. Quando terminei a história, chegando exatamente ali no momento em que Vitor me acenava com o sanduiche, foi como um poderoso imã, joguei-me nos braços dele numa torrente de pranto de séculos, ele me acolheu nos braços fortes, me envolveu completamente e por fora de nosso abraço, no abraço maior, La Reina nos envolveu em seus braços. O abraço, o mais íntimo e completo contato entre a espécie. Pensamos que o sexo, o beijo na boca são os mais íntimos, mas não. A intimidade do abraço é de outra ordem, outra intenção, intensidade, dimensão. Todo e qualquer sexo, Ritaca, é masturbatório, nos masturbamos no outro. É sempre o nosso prazer egoísta. Mesmo se pensamos estar dando prazer ao outro. O abraço não. O abraço é a proteção, o abrigo do corpo do outro que se abre para você e te recebe numa completude, numa amplitude, num aconchego que é da espécie e não do indivíduo. O abraço é o carinho amoroso e solidário da garupa da bicicleta. Levar alguém na garupa de uma bicicleta é decretar seu amor à espécie. É nossa generosidade posta em jogo. Nada mais bonito. No abraço maior, La Reina nos envolveu em seus braços. Quando eu e a Alegria voltamos ao salão tudo estava destruído. Alegria Lovely. Nome mais do que encaixado numa pessoa. Alegria Lovely, um metro e oitenta e cinco de negro. Típico negão. Preto retinto, azul. Rosto forte, aquadradado, dentes brancos, nariz bem negroide mesmo. E bastava sorrir, falar, que se abria ali a pessoa mais doce, mais generosa, tolerante e amável que jamais existiu. Nunca um nome fez tanto sentido. Claro, não era nome. Nunca soube exatamente o nome dele. Dela era Alegria Lovely. Minha amada Alegria. Pessoas mortas por todos os lados, sangue, mesas e cadeiras reviradas, jogadas. La Reina estava caída mais ou menos no meio do salão, sandálias saltos altos saindo do pé, peruca torta na cabeça, olhos revirados para cima. Sobre ela, de joelhos no chão, o Vítor chorava e gritava. Aquela cena, aquele cenário de circo de horrores e os gritos do Vítor não me saíram nunca mais da cabeça. Um deles o Vítor matou ali na hora mesmo. Foram três. Brancos, jovens, classe média alta, se divertindo em um sábado qualquer à noite. Matando pessoas inocentes. O segurança tinha conseguido reagir e acertar um na perna com um tiro. Nessa hora mesma, o Vítor escapou de mim e da Alegria e voltou correndo para o salão atrás da Reina. Tomou o revolver do segurança e descarregou no moleque. Foi na hora. Justiça, Ritaca? Nesse país? Um bando de “veados”? Quem se importa? Os meninos florescem nos pontos de ônibus das ruas da cidade. E ficam assim meio que de entulho nas calçadas. Mas não é apenas erguer a mão e apanhá-los. Não. Pena que não, pena que sim. E mesmo que eu fosse só e apenas desejo, minhas mãos não os alcançariam. Vinte Ritaca. Vinte não, vinte e três pessoas.

* Em fase de finalização. Aguardem, muito breve, nas melhores casas do ramo. Mas... se o encontrarem nas piores, casas do ramo, também tá valendo.