quando-falei-de-flores_acrilica-e-recorte-em-papelao-e-madeira_2021.jpg
catita.jpg

Catita

É ‘Escrivinhadora’, professora, pesquisadora... Prosa e poesia me germinam entrelaçadas. Escrevo porque me dói, escrevo porque me sereniza. Minha escrita preta está no blog www.letrascatitas.blogspot.com, em diversas antologias (Mulherio das Letras; Cadernos Negros; Elas e as Letras, dentre outras) e nos livros solo Morada, Editora Feminas, 2019 (poemas) e Notícias da Incerteza, Desconcertos Editora, 2021 (crônicas). Idealizei e mantenho o evento virtual anual ‘À mesa negra’, o banquete literário novembrino. Sou cofundadora do coletivo de escritoras negras Flores de Baobá”.

ÊXTASE

 

Em seu sorriso,

preta,

alegria leve,

prenúncio de aconchego,

nosso amor

incompreendido

lá fora,

celebrado

cá dentro.

 

Ora fogo e trovoada,

ora água e terra,

sempre nós

duas

à frente,

de frente,

em frente.

 

 

DIA PRIMEIRO

 

Mais um mês do ano começa

o sexto já

Caminho para a metade do ano

de um ano completamente ensandecido.

 

E mais uma vez

me faço promessas,

me engajo em planos, programas, projetos...

tentativas de ler regularmente,

fazer atividade física regularmente,

me alimentar direito,

dormir direito...

na esperança disso amenizar,

dissipar as dores,

fortalecer a caminhada.

 

Se eu vou conseguir?

 

Pode ser mais uma vez não.

Pode ser parcialmente sim.

Pode ser totalmente sim.

 

O que importa, na verdade?

Quando lá fora estão morrendo tantos dos meus?

 

O que importa é a minha esperança

em de algum jeito contribuir,

de algum jeito não deixar essa

memória

deles, delas, de todas, de todos

ir embora.

É nos fazer visíveis

Nos fazer presentes, ainda que o corpo não mais esteja

mas as ideias, os sentimentos.

 

Esse texto era mais um texto

que nasceu querendo ser humorado

e acaba assim.

 

Amanhã eu acordo e sigo.

Confio que eu acordo.

Certamente eu sigo.

 

 

SABERES ANCESTRAIS

 

Cozinhar com a bisa

Ouvir com a vó

Arrumar com a tia

Benzer com a tiavó

Reais e desejadas.

 

Pensar na mãe

Lembrar da mãe

Dormir com a mãe

Abraçar a mãe

Só em foto na sala.

 

Brincar com a irmã

Cuidar da irmã

Discutir com a irmã

Reatar com a irmã

Complexidade aceita.

 

Estudar com a prima

Segredar com a amiga

Rir com a vizinha

Amar a mulher que passa

 

Presenças diárias.

Todas se fazem uma

Em mim

Múltipla

Esparsa nas vindouras.