Baron Camilo of Fulwood
É pai, amigo, pensador, inventor, escritor, tradutor, diplomata, homem de negócios,  poeta, criador, criador de controvérsias, solucionador de problemas, lutador, empático, irrequieto, insatisfeito, militar, xereta, mas acima de tudo um amante da vida.

ABRACE-ME​

Abrace-me para que quando eu perder a força do meu coração, você me ofereça o seu, para que quando minhas raízes penetrarem profundamente, elas alcancem seu abismo; para que, se eu perder minha vida, eu encontre em você uma riqueza de vidas e idiomas.


Abrace-me para que eu me torne uma erva que nega o sono, uma pedra para que você se torne uma pedra macia sob a sombra de uma erva, de modo que entre nós um rio arda e outros transbordem, para que eu suba das alturas para encontrar você. 


Eu descubro que você é a escalada para que você descubra que eu sou o afogamento, de modo que se eu caminhar em sua direção, eu levantarei uma ponte entre perecer e luz.


Abrace-me para que você deseje me escolher como uma maçã, para que eu derrame você como uma maçã colhida, para que eu te inunde com o que você não pode alcançar, de modo que eu conjure para você uma noite e uma nuvem pairando sobre um ninho. Você esquece que eu sou a árvore dos seus membros, para que você esqueça que você é o membro de uma árvore, de modo que se a vida me derrotar, eu possa recupera minha vida em você.


Abrace-me e solte minhas mãos para que, a cada vez que somos quase um, permaneçamos dois destinos desafiadores.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook