André Siqueira

É poeta residente em Jacareí, interior de São Paulo. Já publicou poemas em várias antologias, revistas, jornais e sites de literatura. Publicou de forma independente dois livretos intitulados “Quase Ontem” e “As manhãs fechadas”. Cursou a faculdade de Letras, porém sem concluir e atualmente faz Pedagogia, além de participar de eventos literários, oficinas de poesia e demais trabalhos.

PLASIL ACIMA DE TUDO
DEUS ACIMA DE TODOS

“Não é música.
Não é cultura.
Paraisópolis é o caralho!
Se tava lá é porque não prestava.
Deus é amor
mas é justo também.
A polícia também.
Passai por cima, amém.”
Miserere nobis.
Tiro
ou fogos de artifício?

E o Brasil me obriga a beber dipirona (pilsen).

 

 

 

 


LÚDICA

1, 2, 3 pinozinhos
4, 5, 6 pinozinhos...
O sol estrala na minha cara
quebrada. 
Tenho 1 pino no corpo (morro).
Por isso faço bico,
quase uma biqueira.
Me preparo pro beijo.
Let’s get magical e
na sola do meu tênis fúcsia
coaduna-se a estrela esmagada
que me arde sonhos sufocados.

A polícia passa mas o meu maior crime
é o tráfico de piscadelas poéticas.
Fotogramas da realidade parada na decolagem.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook