Amauri Lobo

(55) é artista, sociólogo, jornalista e professor. Não necessariamente nesta mesma ordem. Começou nos anos 1980, na cena de Cuiabá (MT) e já rodou muito, inclusive tendo morado na Alemanha. Faz poesia, música e, a partir da experiência do bando Caximir, enveredou pela multiarte. Publicou livros, impressos e periódicos de poesia. Gravou em vinil e em CD. Prepara-se para lançar trabalho nas plataformas digitais. É ativista da cultura, por quem morre de amores.  

REFLEXIDADES

I
Não vou mais falar naquilo
Nem mais ir a restaurantes por quilo
Vou dormir tranquilo
Fi-lo por aquilo
Não sou um silo pra estocar sentimentos
Vou usar emoções como alimentos

II
Viver em sociedade é um teatro
Viver na intimidade é uma batalha
Viver consigo mesmo é o fio da navalha

III
Achar que a vida é pouco
É muito
Pouco é achar que a vida 
É muito
A vida 
É muito mais

IV
É fundamental sair do campo das intenções
A maior zona de conforto

Para ganhar os mares 
A nau precisa desatracar do porto

V
Sem desafio, não há oportunidade
Sem desafio, não há chance
Sem desafio, não há evolução
Sem desafio, não há vitória
Sem desafio, não há derrota

Sem derrota
Não há desafio

Desafie-se

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook