Amauri Lobo

(55) é artista, sociólogo, jornalista e professor. Não necessariamente nesta mesma ordem. Começou nos anos 1980, na cena de Cuiabá (MT) e já rodou muito, inclusive tendo morado na Alemanha. Faz poesia, música e, a partir da experiência do bando Caximir, enveredou pela multiarte. Publicou livros, impressos e periódicos de poesia. Gravou em vinil e em CD. Prepara-se para lançar trabalho nas plataformas digitais. É ativista da cultura, por quem morre de amores.  

REGIONAL REFLEXIVO

O céu de Cuiabá explode
O sol de Cuiabá pode
O azul de Cuiabá infinita
A luz de Cuiabá possibilita
Ver as cores, todas, explodindo no ar
Por isso, a única solução em Cuiabá é voar...

De cima, parece uma cidade
De perto, é o Centro da Cidade
Piedade!

 

Há mais de 5 mil anos estamos por aqui
Nunca paramos de chegar
Há uns 300 anos fundamos uma vila
Nunca paramos de chegar
Há umas três décadas resolvemos virar metrópole
Nunca paramos de chegar
Cá estamos
Quem sobreviver verá
Somos Cuiabá!

Mesmo que as lontras brilhantes não estejam mais
Vivendo no rio que jaz sob a avenida que leva seu nome
Mesmo que os indígenas sejam somente lembranças
No museu da universidade
Mesmo que o colonial esteja em ruínas
No Centro, denunciando sua idade
Olho pro céu e entendo
O quanto amo esta cidade

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook