22.png

Aloir Pacini 
É jesuíta que fez mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - Museu Nacional (1999) e doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2012). Lotado no Departamento de Antropologia - UFMT, possui dedicação prioritária na etnologia indígena, com produção acadêmica dentro da Linha de Pesquisa do PPGAS: Etnicidades, Territorialidades e Cosmologias. 

A ÁRVORE DE NATAL QUEIMADA 

Com um pouco de arte, humor e caricatura, vou falar do drama vivido no Pantanal que é esse bioma que sofreu incêndio sem precedentes neste ano de 2020, a partir de uma pessoa muito especial, uma amiga do coração que disponibilizou para mim seu coração, mente e espírito para que eu compreendesse o que viveu. 


Os incêndios que atingem com cada vez mais intensidade os biomas brasileiros, notadamente a floresta Amazônica, o Cerrado e o Pantanal é uma realidade que grita aos céus. Os Chiquitanos falam que já passamos pelo dilúvio da água, do vento (tsunamis) e agora veio o dilúvio do fogo que seria um esforço da natureza para acabar com a ganância do ser humano. Milhares de animais foram mortos visivelmente, alguns feridos foram encontrados na queimada criminosa do Pantanal deste ano, possivelmente milhões de animais e plantas silvestres foram mortos nas queimadas e não vimos. Estive na Baía dos Guató no domingo e segunda-feira para a festa de Nossa Senhora Aparecida, e ali as súplicas todas eram por chuva para apagar o fogo que ainda continuava a consumir o que restou de troncos de árvores antigas. A chuva faz falta por lá de forma mais dramática que em Cuiabá e o Natal promete chuvas mais abundantes. Aqui quero falar de uma sensibilidade que encontrei na pessoa de Sandra Guató, pajé que chora por causa de sua árvore mãe, a conselheira que pediu para ela ficar no Pantanal quando ela quis mudar para a cidade de Cuiabá. Essa história vale a pena ser contada, pois faz dois anos que ela me chamou para contar o sonho que tivera: 

“Eu estava na cidade, tinha vindo tratar de saúde e estava triste com a demora do processo de demarcação da nossa Terra, dos conflitos e ameaças de fazendeiros, e conflitos internos da própria comunidade. Eu pensei ir para aldeia e pegar tudo que eu conseguisse dos meus pertences e trazer para cidade e não voltar mais para aldeia. Estava cansada de lutar e sem resultado satisfatório. Nesse mesmo dia eu deitei para dormir e tive um sonho. No meu sonho eu conversava com uma árvore frondosa, porém já um pouco danificada, doente... quase morrendo. Mas ainda estava dando frutos e a sua sombra podia abrigar muita gente, os pássaros e os animais da floresta. [...] Enquanto uma xamã do meu povo, eu estava renegando o meu dom e os meus ancestrais! Com o meu dom eu ainda podia ajudar muita gente na minha comunidade e, se eu viesse embora, estava renegando esse dom. Ao pensar tudo isso, sentei e chorei por algum tempo, depois olhei para o céu e agradeci a Deus e aos meus ancestrais e aos espíritos da floresta por não me deixar desistir de lutar. É que os meus ancestrais estavam me cobrando o trabalho com a minha comunidade. A árvore representava a minha cruz, o meu trajeto de vida que eu tinha que cumprir, aquele ciclo, e estava tentando abandonar. E no meu sonho eu pude perceber isso quando cheguei debaixo da árvore e toquei no seu tronco envelhecido e doente. [...] Para nós mulheres Guató a natureza, a mãe terra, é muito importante e temos que lutar e cuidar dela como se cuida de um filho. Por isso somos as guardiãs das florestas e dos rios e tudo o que neles existe. Lutamos contra o desmatamento e a pesca predatória e a poluição dos nossos rios e seus afluentes. Se cuidarmos bem deles sobreviveremos por muitos anos, e ainda, da natureza podemos tirar tudo que precisamos para sobreviver e sem destruir.” (Relato de Sandra Guató, pajé devota de Nossa Senhora Aparecida).

Sandra Guató colocando os nomes dos falecidos na árvore da vida na

aldeia Aterradinho, Terra Indígena Baía dos Guató (02/11/2018).

O sonho e a reflexão que Dona Sandra fez, como pajé, aplicando os ensinamentos da árvore para sua vida é visto como vindo de Deus e dos seus ancestrais para cobrar as responsabilidades espirituais de cuidado com o seu povo, especialmente com os dons de cura e de orações. Quando ela fala que sentou para descansar na sombra da árvore, ela mostrou que, mesmo estando doente e envelhecida, ainda estava lhe dando abrigo. O mais impressionante é a sintonia entre Dona Sandra e sua árvore totem, pois encostou-se no seu tronco para contemplar a harmonia da natureza em sua volta, quando elas se juntam para cuidar da vida.


Infelizmente a árvore de Natal queimou porque temos um presidente que promove a desconstitucionalização dos direitos indígenas e desencadeia processos de desterritorialização dos indígenas retirando-os de seus lugares originários e transferindo-os para cidades de forma sutil. Isso apareceu claramente no caso de Dona Sandra que percebeu as maracutaias em curso, a chamada integração dos indígenas à sociedade envolvente. A partir do sonho de Sandra, vemos a resistência nessa fala desolada de Dona Sandra Guató:


“Estamos em nosso território, é difícil pra mim [...]. Olha, meu sentimento é dizer: a devastação, dentro de poucos segundos queimou tudo em minha volta [...]. Gerei minha família, hoje em dia, já estou com 63 anos, já sou bisa e nunca tinha visto uma tragédia dentro do nosso espaço, do nosso território que veio para me derrotar. Eu me sinto derrotada porque quando eu vejo a mata destruída, vejo a vegetação tornando brotar na baixada... Mas, e na mata alta, será que ela vai brotar? Eu faço essa pergunta pra todos que vêm aqui. E oro para meus antepassados, peço pra eles ajudar nós, peço a Deus o nosso Criador, peço a Nossa Senhora, ela é testemunha, que nos ajuda a recuperar [...] não deixa morrer tudo, porque eu morro junto com ele. Eu me sinto assim, morrendo aos poucos, porque desde o dia em que o fogo passou por aqui e fez isso aqui, eu não tive mais paz. Eu começo a fazer a comida com abundância porque eu não tenho mais filho pequeno, mas eu tenho os animais pra dar de comer [...]. As árvores, como eu disse, o sonho que eu tive [...] antes desse fogo pegar, eu afirmo com toda a certeza, eu tive a nova visão, encontrei a labareda de fogo, ela não cessava e eu, no desespero, sem poder apagar [...]. E o desespero ia ficar dentro de mim, e roendo no dia a dia, como está. Como eu peço: Salve o nosso Pantanal! Salve a nossa criação nativa! Salve nós porque nós também somos nativos, eu faço parte dessa natureza! [...] Me revolta tanto [...] Eu sou um tronco, eu sou uma árvore no meio da minha família, eu tenho os frutos [...]. Se eu não salvar, talvez a minha semente pode perder [...]. Salve o nosso Mavoco [Cuiabá]! Como eu pedi para ele, porque isso aqui também pode acabar. Eu já vi tanto rio secando! [...] Isso aqui é a cobrança, o que eu estou passando hoje em dia no território tão lindo, o paraíso tão bonito que nós tivemos por tanto tempo, segurando, para salvar a vida de todos, mas agora não fomos capazes mais de segurar [...]. Porque não depende só de nós, somos circulados por muitos egoístas e ambiciosos [...]. Dinheiro não salva a vida, mas as ervas que estavam armazenados dentro da nossa mata, dentro do nosso cerrado, salva. [...] Com essa pandemia que nós estamos passando, nós buscamos remédio aonde para nós estar sadio? Foi lá! [...] Se os nossos antepassados não nos segurar sadios, onde nós vai procurar de novo? Onde nós vai encontrar? Já acabou! Não temos aonde tirar, queimou tudo, queimou tudo.” (11/10/2020).

Nesse momento chegou a imagem de Nossa Senhora e Dona Sandra foi fazer a oração de gratidão pela vida de todos, pediu como está acima e acrescentou: Salve a Amazônia! Lembrou dos indígenas que ainda estão mais isolados, livres, para que permanecessem assim, porque lamentava em oração que “somos civilizados” agora para “viver de esmola”.

Árvore da vida com os Santos e os antepassados como flores diversas e

coloridas no local da reza na casa de Sandra Guató (03/11/2018).

Tarcísio Geraldo da Costa, 54 anos, da aldeia São Benedito, no lado do rio São Lourenço, do outro lado da Terra Indígena Baía dos Guató, afirmou: “Os pais faziam rezar no oratório antes de escovar os dentes e antes de dormir, depois da janta. Na Semana Santa somente comia um pouco de farinha e o broto de laranjeira. Os Santos não ficam sem sua vela acesa!” (02/11/2018). 
Com isso, concluo esse escrito trazendo a luz da poesia pantaneira que nos enche de esperança:

 

Conselhos de uma árvore
Fique em pé e orgulhoso de si
Lembre-se de suas raízes
Beba bastante água
Valorize sua beleza natural
Aprecie sempre a vista 

(Manoel de Barros, o poeta pantaneiro).

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook