© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook

Aclyse Mattos

É poeta, escritor e professor na UFMT. Autor dos livros O Sexofonista (Carlini & Caniato, 2018 - contos), Festa (Carlini & Caniato, 2012 - poemas) e Quem muito olha a lua fica louco (Oficina Mínima, 2000 - poemas) entre outros.

FIO NARRATIVO

fio de pandorga
firme sustenta
tênue arrebenta
pipa sem linha
desorienta

bando em revoo
(serão papagaios?)
garças de pano
graça no voo

céu Portinari
tempo de infância
que me contempla
pipa sem vida
se já não venta

alto nos campos
solto nos ventos
fio de Ariadne
em meu labirinto

fio narrativo
fio de pandorga
papel colado
livre assim vivo
mesmo no livro


lido ou olhado
leva meu verso
solto no tempo
pelo universo
do sentimento

céus entre raios
(serão papagaios?)
rabiolas em queda
vértice em riscos
traço: espirais

fio que com giz
na vida me fiz
se nem me lembro
à risca, é um risco
vento põe cisco:
foi, não é mais

fio de contar
fio de tecer
fio de narrar
entretecer
meu filho
olha a linha
no entardecer