4.2.jpg

Anna Maria Ribeiro Costa

É doutora em História pela UFPE e Professora do Univag. Chegou às terras do povo indígena Nambiquara na Primavera de 1982. Dos índios recebeu o nome Alusu, por conta de seus hábitos alimentares. Nessas terras, conheceu José Eduardo, com quem tem dois filhos: Theo e Loyuá. Vem se dedicando aos estudos sobre os povos indígenas de Mato Grosso, com especial atenção ao Nambiquara.

A ANTA E A MULHER

Era o tempo em que gentes conversavam com animais. Às vezes, pareciam todos gentes... Aquele período venatório levou, bem cedinho, um casal Nambiquara à caça. O homem seguiu mata adentro, enquanto sua mulher sentou-se à espera do marido que seguiu com o cesto-cargueiro pesado às costas. Na mata, a proximidade de uma anta se fez na vegetação abatida, nos rastros e nas fezes do animal. Sua pegada revelou ser um enorme e pesado animal, bem próximo do caçador. O homem caçador seguiu o assobio da anta.


Dito e feito! Estavam homem e animal, cara a cara. Mais rápida do que a flecha, a anta escapou e raptou a mulher, em atonia com o corre-corre. E por um longo percurso, animal e mulher correram juntos. A mulher presa às costas do animal. Distantes do caçador, ainda assim a anta não deixou a mulher se soltar. Nem para urinar. Nem para defecar. E, com a noite a separar aquele dia de fuga, a anta dormiu com a mulher. 


O novo dia não trouxe descanso à mulher. Logo ao acordar, foi colocada às costas da anta que saiu em marcha em busca de alimento. Chegaram debaixo de um pé de caju. O cheiro dos cajus madurinhos afrouxou a anta a atender a súplica da mulher que queria comer da fruta. 
E a anta, em agrado à mulher, subiu no pé de caju a chocalhar os galhos, a fazer descer tantas frutas maduras e cheirosas. E a mulher a pedir: – sobe mais, anta, há mais frutas no topo da copa da árvore. 


E a anta subia, subia, subia... A mulher, fora do alcance da anta, a deixou no mais alto galho do cajueiro. Seguiu em direção à aldeia. Mas, a mulher deixou rastro na areia fina e branca do cerrado. 


A anta, que correu mais rápido do que a mulher, chegou logo em seguida, quando viu seu filho acabar de nascer. A anta se aproximou da família, mas a mulher não o reconheceu como marido. 


Os homens cercaram o animal. Conversaram com o animal. Adularam o animal. Serviram folhas de mandioca ao animal. Em gratidão, saciado, ensinou aos homens a caçar anta. E os segredos revelou: – no braço, no fígado e no bucho a flecha não dá conta de matar. Mas, na banda da costela, é fatal se usada a flecha jurupará! 


De posse do segredo e vingados, assistiram estendidos no chão os corpos flechados da anta e de seu filho.

© 2019 - Revista Literária Pixé.

  • Facebook